Quantcast
  • We have implemented the ability to gift someone a Supporting Membership now! When you access the Upgrade page there is now a 'Gift' button. Once you click that you can enter a username to gift an account Upgrade to. Great way to help support this forum plus give some kudos to anyone who has helped you.

Venda de cerveja ambulante.

Ajude o Home Brew Talk Brasil:

Ivan Fernandes

New Member
Afiliado
9/6/19
Mensagens
4
Localização
Colombo
Olá, tudo bem?
Estou pensando em começar um negócio com venda cerveja; seria assim, colocaria no porta malas do carro o cilindro, barril, chopeira e placa divulgando, tudo muito simples pois será um teste, estacionaria o carro em algum lugar com movimento e esperaria, até ai tudo bem, mas tenho um certo receio referente a fiscalização,
Gostaria de de saber sobre o pessoal alguém que já fez isso, pensou na ideia, para assim trocarmos conhecimento e experiências de vida,
Obrigado,
 

dalai

Well-Known Member
Afiliado
24/5/17
Mensagens
247
Pode ter certeza que alguém vai te denunciar e terá dor de cabeça... é um negócio com grande visibilidade.

Nessa situação você precisaria ter a empresa devidamente legalizada, cerveja registrada no MAPA e, provavelmente, algum alvará para vender como ambulante (depende de cidade para cidade).
 

LambicBR

Active Member
Afiliado
7/5/16
Mensagens
35
Infelizmente só vai dar certo até tu ser denunciado por algum dono de cervejaria ou baba ovo do estado.
 

Ivan Fernandes

New Member
Afiliado
9/6/19
Mensagens
4
Localização
Colombo
Entendo Dalai, é muita burocracia para ter uma empresa, É difícil querer começar algo de baixo investimento no Brasil, aqui em Curitiba, liguei na Prefeitura e me falaram para abrir um Food Truck, não tenho capital para, se tivesse já estaria com uma komboza rsrsrs
Verdade LambicBR, muita gente querendo ver o mal da outra,
Cassiano, sabe me dizer como funciona na sua cidade, se é multado ou até prendem a pessoa?
Vlw pessoal por entrarem em contato,
Conversamos,
 

Cassiano Schneider

Well-Known Member
Afiliado
20/5/19
Mensagens
73
Localização
São José do Cedro
Entendo Dalai, é muita burocracia para ter uma empresa, É difícil querer começar algo de baixo investimento no Brasil, aqui em Curitiba, liguei na Prefeitura e me falaram para abrir um Food Truck, não tenho capital para, se tivesse já estaria com uma komboza rsrsrs
Verdade LambicBR, muita gente querendo ver o mal da outra,
Cassiano, sabe me dizer como funciona na sua cidade, se é multado ou até prendem a pessoa?
Vlw pessoal por entrarem em contato,
Conversamos,
Aqui funciona assim: nós vamos averiguar a denúncia, se fosse um comércio ambulante bastaria recolher a taxa, mas como nesse caso entraria vigilância sanitária e tal, tu teria q recolher as coisas. Multa só se continuasse a vender. Prender a pessoa não tem como hehe.

Abraço.
 

Los bandoleros

New Member
Afiliado
7/2/19
Mensagens
3
Localização
Belo Horizonte
Olá Ivan.
Então eu faço cerveja a um tempo. A três meses comprei um trailer e estou trabalhando nas ruas aqui em Minas.
Vendendo meu chopp. Eu tirei o MEI e estou correndo atrás. E através do trailer já tive algumas encomendas pra festas.
Já vi até Fusca com as torneiras de chopp. E ficaram bem top.
Fiz uma chopeira a gelo e vou pra uma feira que tem aqui tmb.
Na minha opinião vale a pena correr atrás do que vc quer. Gente pra prejudicar sempre vai ter.
 

Attachments

pwiens

Well-Known Member
Afiliado
22/3/18
Mensagens
136
Uma opção seria fazer encomenda pra festas particulares, além de evitar tudo com fiscalização, vai ser 1 cliente só, mais fácil de lidar do que 40 clientes diferentes.
 

Los bandoleros

New Member
Afiliado
7/2/19
Mensagens
3
Localização
Belo Horizonte
legal! qual é o melhor estilo de cerveja para vender na rua ?
Isso depende muito do seu público.
Mas uma q eu faço que é barata e fácil de fazer é a crean Ale. Faço uma maturação bem bacana, pra ela ficar bem clarinha. Lembra muito essas comerciais, só que mais saborosa.
Mas como havia lhe dito isso depende do público. Como tenho no trailer duas torneiras, sempre coloco essa e mais uma. Seja uma IPA, APA ou até mesmo um chopp de vinho.
 

PauloCesar

Member
Afiliado
24/7/18
Mensagens
15
Localização
Rio de Janeiro
Isso depende muito do seu público.
Mas uma q eu faço que é barata e fácil de fazer é a crean Ale. Faço uma maturação bem bacana, pra ela ficar bem clarinha. Lembra muito essas comerciais, só que mais saborosa.
Mas como havia lhe dito isso depende do público. Como tenho no trailer duas torneiras, sempre coloco essa e mais uma. Seja uma IPA, APA ou até mesmo um chopp de vinho.
duas torneiras e deixar o publico escolher é a melhor opção.
 

Ivan Fernandes

New Member
Afiliado
9/6/19
Mensagens
4
Localização
Colombo
Legal essa sua chopeira, consegue nos enviar mais fotos dela?
Desculpem minha falta de informação, mas tenho esta dúvida, depois que eu abro o meu barril e vendo alguns copos, qual seria o procedimento correto para vender depois de dois dias,
Guardo todo o equipamento separadamente ou deixo tudo conectado?
Como vc faz Los Bandoleiros?
 

Theo Saad

Member
Afiliado
19/12/18
Mensagens
11
Localização
São Paulo
Caros, não quero estragar a ideia de ninguém, mas vou dar minha visão e experiência na area. Eu empreendi já, com tudo legalizado. Sabe o que mais atrapalha o empreendedor correto? Não é a prefeitura, nem a secretaria de Fazenda com os impostos. Tudo isso é justo, é claro, regulamentado, de conhecimento geral. Portanto, coloca-se tudo isso no preço. O que f... a vida do empreendedor que faz tudo direitinho é o cara que acredita que está acima de tudo isso, que o governo é chupim e atrapalha o empreendedor, e vai lá e faz tudo na gambiarra, fora da lei, não recolhe imposto, não emprega ninguém (pelo menos não com carteira assinada). Daí o cara tem um produto bem mais barato, porque não precisa lidar com vigilância sanitária, Anvisa, prefeitura, Sefaz, MPT, essas coisas. E isso f... o cara que tá empregando gente, ajudando famílias, tentando viver honestamente. Se tu não tem os recursos para funcionar legalmente, de duas uma: 1) ou arrume o recursos, via empréstimo, financiamento, venda de cotas da empresa, sócios, família, amigos, crowdfunding, etc, ou 2) parta para outro ramo, em que você possa fazer tudo dentro da lei. Isso te dá a consciência tranquila de nem correr o risco de ser multado, perder tudo, etc, e de saber que não está prejudicando ninguém que foi lá, investiu, correu atrás, legalizou tudo, botou o pescoço a prêmio e foi à luta! Para exemplificar com uma coisa simples que aconteceu na minha frente: a vigilância sanitária de SP chegou em frente ao Sacolão Perdizes, no bairro de mesmo nome, e apreendeu o ambulante que vendia milho verde ali, bem em frente de um estabelecimento comercial com CNPJ, mais de 100 funcionários e que vendia, entre outras centenas de produtos, MILHO VERDE. O cara tinha uma carrocinha de madeira, com um botijão de gás (olha o perigo de incêndio), uma panela velha, água de sabe-se-lá de onde para cozinhar o milho, margarina fora da geladeira, sem prazo de validade, não usava luvas e com a mesma mão que recebia o dinheiro, servia o milho sem ao menos passar um álcool-gel (porque fonte de água limpa ele não tinha para poder lavar as mãos). Uma turma da rua tentou impedir a vigilância, argumentando que o cara só queria trabalhar. Eu entrei na discussão e argumentei tudo isso, mostrando que ele estava potencialmente tirando o emprego de mais uma pessoa porque o sacolão estava deixando de vender mais milhos porque esse cara estava ali. Todo mundo que teve a paciência de ouvir concordou comigo, o cara do milho ficou envergonhado e a vigilância sanitária agradeceu minha intervenção moderadora e parcimoniosa. Resumo: cada fora-da-lei tira espaço de quem quer atuar dentro da lei. Não faça isso, meu amigo. Abraço.
 

Cassiano Schneider

Well-Known Member
Afiliado
20/5/19
Mensagens
73
Localização
São José do Cedro
Caros, não quero estragar a ideia de ninguém, mas vou dar minha visão e experiência na area. Eu empreendi já, com tudo legalizado. Sabe o que mais atrapalha o empreendedor correto? Não é a prefeitura, nem a secretaria de Fazenda com os impostos. Tudo isso é justo, é claro, regulamentado, de conhecimento geral. Portanto, coloca-se tudo isso no preço. O que f... a vida do empreendedor que faz tudo direitinho é o cara que acredita que está acima de tudo isso, que o governo é chupim e atrapalha o empreendedor, e vai lá e faz tudo na gambiarra, fora da lei, não recolhe imposto, não emprega ninguém (pelo menos não com carteira assinada). Daí o cara tem um produto bem mais barato, porque não precisa lidar com vigilância sanitária, Anvisa, prefeitura, Sefaz, MPT, essas coisas. E isso f... o cara que tá empregando gente, ajudando famílias, tentando viver honestamente. Se tu não tem os recursos para funcionar legalmente, de duas uma: 1) ou arrume o recursos, via empréstimo, financiamento, venda de cotas da empresa, sócios, família, amigos, crowdfunding, etc, ou 2) parta para outro ramo, em que você possa fazer tudo dentro da lei. Isso te dá a consciência tranquila de nem correr o risco de ser multado, perder tudo, etc, e de saber que não está prejudicando ninguém que foi lá, investiu, correu atrás, legalizou tudo, botou o pescoço a prêmio e foi à luta! Para exemplificar com uma coisa simples que aconteceu na minha frente: a vigilância sanitária de SP chegou em frente ao Sacolão Perdizes, no bairro de mesmo nome, e apreendeu o ambulante que vendia milho verde ali, bem em frente de um estabelecimento comercial com CNPJ, mais de 100 funcionários e que vendia, entre outras centenas de produtos, MILHO VERDE. O cara tinha uma carrocinha de madeira, com um botijão de gás (olha o perigo de incêndio), uma panela velha, água de sabe-se-lá de onde para cozinhar o milho, margarina fora da geladeira, sem prazo de validade, não usava luvas e com a mesma mão que recebia o dinheiro, servia o milho sem ao menos passar um álcool-gel (porque fonte de água limpa ele não tinha para poder lavar as mãos). Uma turma da rua tentou impedir a vigilância, argumentando que o cara só queria trabalhar. Eu entrei na discussão e argumentei tudo isso, mostrando que ele estava potencialmente tirando o emprego de mais uma pessoa porque o sacolão estava deixando de vender mais milhos porque esse cara estava ali. Todo mundo que teve a paciência de ouvir concordou comigo, o cara do milho ficou envergonhado e a vigilância sanitária agradeceu minha intervenção moderadora e parcimoniosa. Resumo: cada fora-da-lei tira espaço de quem quer atuar dentro da lei. Não faça isso, meu amigo. Abraço.

Assino embaixo.
 

NH3

Well-Known Member
Afiliado
18/12/15
Mensagens
135
Caros, não quero estragar a ideia de ninguém, mas vou dar minha visão e experiência na area. Eu empreendi já, com tudo legalizado. Sabe o que mais atrapalha o empreendedor correto? Não é a prefeitura, nem a secretaria de Fazenda com os impostos. Tudo isso é justo, é claro, regulamentado, de conhecimento geral. Portanto, coloca-se tudo isso no preço. O que f... a vida do empreendedor que faz tudo direitinho é o cara que acredita que está acima de tudo isso, que o governo é chupim e atrapalha o empreendedor, e vai lá e faz tudo na gambiarra, fora da lei, não recolhe imposto, não emprega ninguém (pelo menos não com carteira assinada). Daí o cara tem um produto bem mais barato, porque não precisa lidar com vigilância sanitária, Anvisa, prefeitura, Sefaz, MPT, essas coisas. E isso f... o cara que tá empregando gente, ajudando famílias, tentando viver honestamente. Se tu não tem os recursos para funcionar legalmente, de duas uma: 1) ou arrume o recursos, via empréstimo, financiamento, venda de cotas da empresa, sócios, família, amigos, crowdfunding, etc, ou 2) parta para outro ramo, em que você possa fazer tudo dentro da lei. Isso te dá a consciência tranquila de nem correr o risco de ser multado, perder tudo, etc, e de saber que não está prejudicando ninguém que foi lá, investiu, correu atrás, legalizou tudo, botou o pescoço a prêmio e foi à luta! Para exemplificar com uma coisa simples que aconteceu na minha frente: a vigilância sanitária de SP chegou em frente ao Sacolão Perdizes, no bairro de mesmo nome, e apreendeu o ambulante que vendia milho verde ali, bem em frente de um estabelecimento comercial com CNPJ, mais de 100 funcionários e que vendia, entre outras centenas de produtos, MILHO VERDE. O cara tinha uma carrocinha de madeira, com um botijão de gás (olha o perigo de incêndio), uma panela velha, água de sabe-se-lá de onde para cozinhar o milho, margarina fora da geladeira, sem prazo de validade, não usava luvas e com a mesma mão que recebia o dinheiro, servia o milho sem ao menos passar um álcool-gel (porque fonte de água limpa ele não tinha para poder lavar as mãos). Uma turma da rua tentou impedir a vigilância, argumentando que o cara só queria trabalhar. Eu entrei na discussão e argumentei tudo isso, mostrando que ele estava potencialmente tirando o emprego de mais uma pessoa porque o sacolão estava deixando de vender mais milhos porque esse cara estava ali. Todo mundo que teve a paciência de ouvir concordou comigo, o cara do milho ficou envergonhado e a vigilância sanitária agradeceu minha intervenção moderadora e parcimoniosa. Resumo: cada fora-da-lei tira espaço de quem quer atuar dentro da lei. Não faça isso, meu amigo. Abraço.
Apesar de não concordar com a política tarifária no Brasil, nem com a burocracia para se empreender, concordo que a solução não é agir fora da lei.
É trabalho de formiguinha, mas o ideal seria conseguirmos mudar as regras e procedimentos injustos (taxação excessiva, burocracia burra, etc.) para dormir tranquilo por estar dentro da legalidade.
 

Fernando Lima

New Member
Afiliado
16/7/19
Mensagens
1
Localização
Pirassununga-SP
Caros, não quero estragar a ideia de ninguém, mas vou dar minha visão e experiência na area. Eu empreendi já, com tudo legalizado. Sabe o que mais atrapalha o empreendedor correto? Não é a prefeitura, nem a secretaria de Fazenda com os impostos. Tudo isso é justo, é claro, regulamentado, de conhecimento geral. Portanto, coloca-se tudo isso no preço. O que f... a vida do empreendedor que faz tudo direitinho é o cara que acredita que está acima de tudo isso, que o governo é chupim e atrapalha o empreendedor, e vai lá e faz tudo na gambiarra, fora da lei, não recolhe imposto, não emprega ninguém (pelo menos não com carteira assinada). Daí o cara tem um produto bem mais barato, porque não precisa lidar com vigilância sanitária, Anvisa, prefeitura, Sefaz, MPT, essas coisas. E isso f... o cara que tá empregando gente, ajudando famílias, tentando viver honestamente. Se tu não tem os recursos para funcionar legalmente, de duas uma: 1) ou arrume o recursos, via empréstimo, financiamento, venda de cotas da empresa, sócios, família, amigos, crowdfunding, etc, ou 2) parta para outro ramo, em que você possa fazer tudo dentro da lei. Isso te dá a consciência tranquila de nem correr o risco de ser multado, perder tudo, etc, e de saber que não está prejudicando ninguém que foi lá, investiu, correu atrás, legalizou tudo, botou o pescoço a prêmio e foi à luta! Para exemplificar com uma coisa simples que aconteceu na minha frente: a vigilância sanitária de SP chegou em frente ao Sacolão Perdizes, no bairro de mesmo nome, e apreendeu o ambulante que vendia milho verde ali, bem em frente de um estabelecimento comercial com CNPJ, mais de 100 funcionários e que vendia, entre outras centenas de produtos, MILHO VERDE. O cara tinha uma carrocinha de madeira, com um botijão de gás (olha o perigo de incêndio), uma panela velha, água de sabe-se-lá de onde para cozinhar o milho, margarina fora da geladeira, sem prazo de validade, não usava luvas e com a mesma mão que recebia o dinheiro, servia o milho sem ao menos passar um álcool-gel (porque fonte de água limpa ele não tinha para poder lavar as mãos). Uma turma da rua tentou impedir a vigilância, argumentando que o cara só queria trabalhar. Eu entrei na discussão e argumentei tudo isso, mostrando que ele estava potencialmente tirando o emprego de mais uma pessoa porque o sacolão estava deixando de vender mais milhos porque esse cara estava ali. Todo mundo que teve a paciência de ouvir concordou comigo, o cara do milho ficou envergonhado e a vigilância sanitária agradeceu minha intervenção moderadora e parcimoniosa. Resumo: cada fora-da-lei tira espaço de quem quer atuar dentro da lei. Não faça isso, meu amigo. Abraço.
Excelente explanação... concordo plenamente com você.
 

zandeko

New Member
Afiliado
14/11/17
Mensagens
2
Tenho uma dúvida referente a esse assunto.
Eu fiz a cervaja do meu casamento e do casamento de um amigo. Agora tem 3 pessoas querendo q eu faça a cerveja para o casamento/festa deles e estou querendo cobrar por isso. Existe algum risco de fiscalização sobre isso? Estaria eu agindo fora da lei?
 

Theo Saad

Member
Afiliado
19/12/18
Mensagens
11
Localização
São Paulo
Tenho uma dúvida referente a esse assunto.
Eu fiz a cervaja do meu casamento e do casamento de um amigo. Agora tem 3 pessoas querendo q eu faça a cerveja para o casamento/festa deles e estou querendo cobrar por isso. Existe algum risco de fiscalização sobre isso? Estaria eu agindo fora da lei?
Risco de fiscalização é baixo. Se cobrar pela cerveja, sim, está agindo fora da lei.
 

pwiens

Well-Known Member
Afiliado
22/3/18
Mensagens
136
Sinto muito, essa forma de pensar é muito gado pra mim, o tiozinho era porco mas só comprava quem queria, todo mundo via a porquice dele. Diferente de voce chegar em um restaurante e supor que a cozinha está toda certa (apesar de voce poder visitar a cozinha a hora que quiser). Partir pra outro ramo se não tiver dinheiro e conhecimento pra fazer tudo certo? Voce acha que o tiozinho tinha? e o que ele ia fazer da vida? Tem que mudar as leis? Muito facil mudar né, voce elege o cara a cada 4 anos e depois de eleito ele te manda praquele lugar.
A gente aprende sobre historia medieval, quando o povo passava fome e era proibido de caçar nas matas do rei, acha isso um absurdo, pensa "nossa, como ninguem fazia nada, como que aceitavam" aí você ouve coisas assim e entende por que.
Desculpa enveredar por esse ramo, o fórum não é pra isso, mas acho que a gente tem que expressar opiniões assim por uma questão de estatística, pra quem pensa assim também não se achar um peixe fora d'água, que existe esse jeito de pensar também.
 
Topo