• We have implemented the ability to gift someone a Supporting Membership now! When you access the Upgrade page there is now a 'Gift' button. Once you click that you can enter a username to gift an account Upgrade to. Great way to help support this forum plus give some kudos to anyone who has helped you.

Qual sua filosofia de cervejeiro caseiro?

Ajude o Home Brew Talk Brasil:

Ricardo1984

Active Member
Afiliado
13/5/21
Mensagens
36
Localização
Santa Catarina
Olá pessoal,
sou novo no fórum e na produção de cerveja caseira. Mas, do pouco que acompanhei até agora, percebi diferentes tipos de produtores de cerveja caseira.

Não sei qual está certo ou errado, nem é o objetivo deste post levantar essa discussão. Mas gostaria de saber, caso queiram compartilhar, que tipo de produtor de cerveja caseira você é.

O que aprendi até agora é que o processo em si é simples (ingredientes, mosturação, fervura, fermentação, maturação, envase). O que me surpreendeu neste universo é que alguns cervejeiros são bem tecnificados (não sei se existe essa palavra). Estão os cervejeiros caseiros buscando copiar um processo industrial?

Outro perfil que tenho visto, é o de seguir as receitas e técnicas de forma literal, desconsiderando algumas vezes o processo.

E outras vezes tenho visto o perfil de produção de cerveja levando em conta o menor esforço para produção de uma cerveja com qualidade razoável. Confesso que esse último é o que eu estou buscando.

Gostaria de saber dos confrades qual sua filosofia cervejeira, e por que. Caso queiram compartilhar e não for um segredo industrial. =D
 

DANIEL RODRIGUES

Well-Known Member
Afiliado
2/6/20
Mensagens
190
Localização
Colina/SP
Bom dia Ricardo!!!
Bem... iniciei fazendo cerveja de forma bem artesanal (lavagem no caneco, bazooka, etc), mas já em grandes volumes... pois brassava em conjunto com um amigo (as cervejas não eram muito boas, e nos mantinhamos bem conservadores nas receitas).
Aos poucos, adquirimos uma panela elétrica, para facilitar o processo e permitir a realização de outras receitas, com novas rampas, processo de clarificação mais apurado, etc...
Hoje em dia fazemos de maneira individual, cada qual com sua receita, pois dispomos de meios de fermentar distintos.
Entretanto, voltando à filosofia, meu pensamento é de fazer minhas cerveja com a finalidade de não comprar cerveja comercial, quase uma troca, com o benefício de saber o que estou bebendo, mexendo em receitas, alterando diversos parâmetros, para melhorar e apurar aquelas que mais gostar... tenho feito lotes de 20 litros, para conseguir mais variedade....
Já meu amigo, preza pela quantidade, sempre faz 40 litros, e dependendo, se tiver disponível, ele até repassa $$$ aos amigos!!!
Enfim... a filosofia cervejeira é muito vasta, e certamente muito volátil... hoje se imagina um cenário que pode mudar ali adiante...
Abraços
 

NH3

Well-Known Member
Afiliado
18/12/15
Mensagens
145
Melhor cerveja possível com o mínimo esforço possível. Meu hobby não é simplesmente fazer cerveja e sim, testar a cada receita como manter ou melhorar a qualidade reduzindo tempo ou complexidade ou ambos. Claro que junto a isso, o hobby exige muito estudo para saber onde mexer. Comecei com tribloco, hoje uso biab. Depois que mudei para o biab, comecei com panela de 44 L para colocar 25 L no fermentador e hoje uso panela de 20 L para colocar os mesmos 25 L. Comecei usando 1 h de fervura,hoje uso no máximo 30 minutos. Comecei fermentando lager a 12 oC, hoje fermento a 16 oC. Comecei fazendo dry-hopping na secundária,hoje faço extrato alcoólico ou chá de lúpulo para adicionar só no envase e por aí vai...
 

AntonioMartins

Well-Known Member
Afiliado
5/5/14
Mensagens
748
Minha filosofia é manter o processo simples, mas respeitando algumas regras básicas para a fermentação ser saudável.

Uso 1 panela com fundo falso para mostura, 1 para água do sparge e 1 de fervura, com fogareiro a gás. Faço levas de 30 litros aproximadamente.

Não faço correção da água, nem de PH, nem de sais.

Aqueço a água até entre 70ºC e 72ºC e arrio o malte, mexo bem e a temperatura cai para entre 66ºC e 68ºC (uma ou outra temperatura de acordo com o que eu quero de resultado final).

Desligo o fogo, cubro a panela com um cobertor e deixo lá quieto por 90 minutos. Não faço teste de iodo, nem rampas de temperatura.

Recirculo com o canecão, só durante a subida da temperatura para a lavagem dos grãos, que faço a 78ºC. Não faço mash out.

Faço a lavagem bem devagar para extrair o máximo de açúcar.

Fervura por 60 minutos, não muito intensa para diminuir as perdas e a bagunça (geralmente a panela está no limite da capacidade).

Resfrio com chiller de imersão até uns 30 e poucos graus e o resto resfria já na geladeira.

Fermento em baldes ou bombonas de água só tampados, sem airlock.

Faço um pitch rate adequado, a grosso modo 1 g/l de levedura para Ales e 2 g/l de leveduras para Lagers, fermento hidratado, sem starter.

Controle estrito de temperatura de fermentação, deixo fermentando por no mínimo 2 semanas para Ales e 4 para Lagers, mais uma semana ou duas a 0 ºC para clarificação (não uso gelatina).

Minha eficiência fica na casa dos 75% e minhas cervejas já ganharam algumas competições da ACervA local. Estou muito satisfeito com os resultados e com o meu processo.
 

GuiSpin

Well-Known Member
Afiliado
18/5/20
Mensagens
87
Localização
Sorocaba
Boa.. Bem vindo!!

Discussao bem interessante essa e garanto que vai ter muitas razoes diferentes surgindo por aqui..

Particularmente, iniciei com a produçao de cerveja no inicio da pandemia ano passado, mais como uma brincadeira e curiosidade de explorar possibilidades e passar tempo na pandemia tambem.
A brincadeira evoluiu bastante, pois a partir do momento que voce começa a aprender, vem a vontade de ir melhorando cada vez mais os seus processos, seus equipamentos (na medida do possivel) e as experiencias.

Eu quero seguir fazendo algo caseiro e artesanal, mas sempre tentando tirar o melhor produto no final.. Nao acho que necessariamente com a ideia de gastar o menos possivel ou ter a melhor cerveja com um equipamento que faça tudo sozinho..
 

gmsbh

Member
Afiliado
24/2/17
Mensagens
8
Blz pessoal,
Adentrei nesse mundo recentemente, só comprei o meu equipamento, depois de estudar e pesquisar muito (esse fórum ajudou demais) e definir oque eu queria ... que é trabalhar com Biab , em levas pequenas (20 litros), para poder tomar todos estilos que eu quiser experimentar e não pagar tão caro em cervejas "artesanais" que na verdade são industrializadas. Meu foco é tentar produzir com a mentalidade de ..."faça o simples, o mais perfeito que conseguir fazer"... mas concordo que para elevar o nível da cerveja feita em casa, isso só é possível com muito conhecimento, principalmente nessa área.
 

e.cassaro

Well-Known Member
Afiliado
18/2/20
Mensagens
108
Localização
São Paulo
Belo tópico! Essa é pra mim, que sou cervejeiro caseiro e sou formado em filosofia.

Eu diria que:

a) eu busco extrair o máximo de qualidade a partir de uma quantidade/variedade mínima mas suficiente de ingredientes e equipamentos. Pra corrigir algo antes de ver o que posso acrescentar penso no que posso tirar. Chame-me minimalista;

b) eu tenho estilos e receitas como referência mas não como lei. Crio e aperfeiçoo minhas receitas eu mesmo. Sigo o meu nariz. Chame-me de independente;

c) eu gosto de fazer cerveja. Não quero um equipamento fazendo ela pra mim. Eu mesmo faço com equipamentos controlados sem automação. Chame-me de artesão;

d) eu gosto de cerveja com gosto de cerveja. Raramente uso adjuntos (nada contra quem usa). Chame-me de purista.


Portanto podemos dizer que a minha filosofia cervejeira é minimalista, independente, artesã e purista.
 

lmercucci

Member
Afiliado
5/11/18
Mensagens
16
Localização
Taboão da Serra
Eu comecei em 2016 em conjunto com meu Compadre. Eu havia tomado cerveja artesanal na casa de um colega que fazia, e Zero ressaca, sendo que com as ambev estava tendo ressacas mostro, esse foi meu gatilho, a ideia era fazer uma skol sem me dar ressaca, huahuahua, mal sabia eu.....
Dividimos um kit de 20 litros alumínio, 10 para cada. 2 panelas 1 com fundo falso. Aumentamos o kit com mais uma panela de 45 para fervura, final 30 litros...
Era pouco, chegamos a fazer 3 brassagem em um dia... kkkkkk
Fora que no inicio era fermentação sem controle, saiu muita cerveja boa assim, sem controle de temperatura. Nois dois tomamos gosto em fazer e tomar nossas brejas, sempre rola um intercambio. Mas montamos kits separados, de inox, eu faço hoje em dia 150 litros, com duas ou três fervuras diferentes e 5 fermentações diferentes, leveduras diferentes, vários testes em uma só brassagem. Varias cervejas, dura uns 2 meses.
E gosto de usar so ingredientes bons, as vezes testo outros, mas malte para mim é Castel Malte, lupulo tem que ser embalagem fechada de fabrica BARTH HAAS ou Yakima Chief, e levedura sempre é bom um start, verificar a vitalidade dela.
 
Afiliado
3/3/21
Mensagens
7
Localização
VERANÓPOLIS RS
Ótimo tópico. Dá para conhecer e saber mais sobre o pessoal.
Eu iniciei com o objetivo de tomar uma cerveja de qualidade com um preço acessível. Isso em 2014, meu avô também fazia cerveja, mas fui influenciado por amigos que já faziam. Falavam que era barbada e tal, o que me despertou o interesse já que também gosto de cozinhar, achei parecido e até relativamente simples. Já há muito tempo não conseguia beber qualquer ceva industrial, as que me agradam são bem caras, quase todas importadas.
Não tenho um estilo específico, mas as minhas são bem alcoólicas, capricho no malte. Atualmente produzo 40 litros por brassagem, pretendo adquirir um equipamento automatizado para aumentar entre uns 75 a 100 litros. Mas não irei abandonar as panelas.
Uma vez por mês antes do covid reuníamos os cervejeiros aqui da região e cada um leva uma parte de sua produção, um engradado mais ou menos, as que não conseguíamos beber trocávamos para beber em casa. Levava um ou dois estilos e voltava com uns 8 diferentes era bem legal. Não esta descartado futuramente fazer para comercializar, mas por enquanto é para consumo próprio, se fosse para vender ficaria sem. O pessoal sempre pergunta se tenho cerveja, algumas até vendo. Claro que com a experiência vamos sempre aprimorando o processo, mas nada de muita paranoia. Por aqui já vi muitos cheios de termos técnicos, fórmulas, marabalistas cervejeiros ia beber o resultado final era um mijo com gosto de vinagre, inclusive de algumas cervejarias. Dai cheguei a conclusão que o simples e bem feito é sempre o melhor.
Boas brassagens à todos!
 

Eduardo Diavam

Well-Known Member
Afiliado
8/3/21
Mensagens
66
Localização
Pato Branco - Paraná
Comecei em 2020, por influencia da minha religião o Catolicismo, ficava lendo que os monges trapistas faziam as melhores cervejas do mundo e fica entusiasmado, queria fazer igual, me lembro a primeira vez que tomei a Quadrupel da Chimay, incrível. Comecei com BIAB 10l e hoje tenho uma Single Vessel de 65l, sou apaixonado por equipamentos, isso por influencia da área de tecnologia, se eu pudesse testava todas as panelas automatizadas e fermentadores diferenciados do mercado, mas a condição financeira impede kjkkk. Gosto muito da complexidade, aprender processos novos, algumas coisas mais "avançadas", hoje eu compenso tudo que não estudei de química, biologia na escola kkkk. Pretendo avançar nos conhecimentos e futuramente abrir uma cervejaria com cervejas "diferentes". Minha filosofia é entregar o melhor, dar não apenas uma cerveja mas sim uma experiencia para as pessoas, fico muito feliz com isso.
 
Última edição:

alex cegan

Active Member
Afiliado
19/8/19
Mensagens
39
Localização
lapa Paraná
Tópico muito legal!
Eu comecei com influencia de um professor da primeira faculdade em 2017, aí tentei BIAB "sem" equipamentos, sendo o bag uma fronha de travesseiro e o fermentador um balde de mel com um furo para blow off, fervura foi de deixar o líquido pela metade e a fermentação debaixo da cama do meu quarto kkkk bom, eu comprei 5kg de maltes diversos pois não sabia montar a receita e 3 pacotes de lupulo pois não estudei NADA antes daquilo. Saiu uma quatrupel IPA hahahahaha. Foi bebido uma garrafa e o resto foi fora.
Depois disso, fui pro Youtube e realmente, seja gringo ou BR tem muita coisa, com isso comprei tudo para 10L de BIAB, melhorou bastante. Atualmente é carbonatação forçada e fundo falso, 30 litros e duas brassagens no mês, ocasionalmente vendo algumas garrafas que o pessoal pede e estou para começar Produção Cervejeira e um curso de Sommelier.
A filosofia deve ser na MINHA humilde opinião: se divirta, capriche, experimente, inove ou seja purista, estude bastante se for do seu agrado ou apenas faça o simples bem feito. Seja feliz fazendo sua cerveja.
 

Ricardo1984

Active Member
Afiliado
13/5/21
Mensagens
36
Localização
Santa Catarina
Melhor cerveja possível com o mínimo esforço possível. Meu hobby não é simplesmente fazer cerveja e sim, testar a cada receita como manter ou melhorar a qualidade reduzindo tempo ou complexidade ou ambos. Claro que junto a isso, o hobby exige muito estudo para saber onde mexer. Comecei com tribloco, hoje uso biab. Depois que mudei para o biab, comecei com panela de 44 L para colocar 25 L no fermentador e hoje uso panela de 20 L para colocar os mesmos 25 L. Comecei usando 1 h de fervura,hoje uso no máximo 30 minutos. Comecei fermentando lager a 12 oC, hoje fermento a 16 oC. Comecei fazendo dry-hopping na secundária,hoje faço extrato alcoólico ou chá de lúpulo para adicionar só no envase e por aí vai...
Que legal NH3. Eu pensava que todo mundo ia no sentido contrário, de aumentar a complexidade. Eu estou aprendendo com BIAB, e bom saber que pessoas mais experientes estão usando esse método e fazendo boas cervejas. Obrigado pela resposta.
 

Ricardo1984

Active Member
Afiliado
13/5/21
Mensagens
36
Localização
Santa Catarina
Minha filosofia é manter o processo simples, mas respeitando algumas regras básicas para a fermentação ser saudável.

Uso 1 panela com fundo falso para mostura, 1 para água do sparge e 1 de fervura, com fogareiro a gás. Faço levas de 30 litros aproximadamente.

Não faço correção da água, nem de PH, nem de sais.

Aqueço a água até entre 70ºC e 72ºC e arrio o malte, mexo bem e a temperatura cai para entre 66ºC e 68ºC (uma ou outra temperatura de acordo com o que eu quero de resultado final).

Desligo o fogo, cubro a panela com um cobertor e deixo lá quieto por 90 minutos. Não faço teste de iodo, nem rampas de temperatura.

Recirculo com o canecão, só durante a subida da temperatura para a lavagem dos grãos, que faço a 78ºC. Não faço mash out.

Faço a lavagem bem devagar para extrair o máximo de açúcar.

Fervura por 60 minutos, não muito intensa para diminuir as perdas e a bagunça (geralmente a panela está no limite da capacidade).

Resfrio com chiller de imersão até uns 30 e poucos graus e o resto resfria já na geladeira.

Fermento em baldes ou bombonas de água só tampados, sem airlock.

Faço um pitch rate adequado, a grosso modo 1 g/l de levedura para Ales e 2 g/l de leveduras para Lagers, fermento hidratado, sem starter.

Controle estrito de temperatura de fermentação, deixo fermentando por no mínimo 2 semanas para Ales e 4 para Lagers, mais uma semana ou duas a 0 ºC para clarificação (não uso gelatina).

Minha eficiência fica na casa dos 75% e minhas cervejas já ganharam algumas competições da ACervA local. Estou muito satisfeito com os resultados e com o meu processo.
Legal Antônio. Você desenvolveu uma sequência lógica para sua produção. Percebi que buscou simplificar e facilitar em alguns aspectos e deu atenção especial à fermentação. Meu objetivo é esse também, encontrar o meu ritmo e determinar as coisas mais importantes pra minha cerveja. Abraço.
 

Ricardo1984

Active Member
Afiliado
13/5/21
Mensagens
36
Localização
Santa Catarina
Boa.. Bem vindo!!

Discussao bem interessante essa e garanto que vai ter muitas razoes diferentes surgindo por aqui..

Particularmente, iniciei com a produçao de cerveja no inicio da pandemia ano passado, mais como uma brincadeira e curiosidade de explorar possibilidades e passar tempo na pandemia tambem.
A brincadeira evoluiu bastante, pois a partir do momento que voce começa a aprender, vem a vontade de ir melhorando cada vez mais os seus processos, seus equipamentos (na medida do possivel) e as experiencias.

Eu quero seguir fazendo algo caseiro e artesanal, mas sempre tentando tirar o melhor produto no final.. Nao acho que necessariamente com a ideia de gastar o menos possivel ou ter a melhor cerveja com um equipamento que faça tudo sozinho..
Deve ser esse o motivo que às vezes parece que os cervejeiros são muito tecnificados. Devem somente estar mais aprofundados no conhecimento e foram explorar as técnicas. O legal desse universo é justamente a liberdade e aprender a cada brassagem. Eu tenho pensando assim pelo menos, vou apenas para a sétima brassagem. Mas quero reler esse tópico daqui um ano rs. Valeu
 

Ricardo1984

Active Member
Afiliado
13/5/21
Mensagens
36
Localização
Santa Catarina
Belo tópico! Essa é pra mim, que sou cervejeiro caseiro e sou formado em filosofia.

Eu diria que:

a) eu busco extrair o máximo de qualidade a partir de uma quantidade/variedade mínima mas suficiente de ingredientes e equipamentos. Pra corrigir algo antes de ver o que posso acrescentar penso no que posso tirar. Chame-me minimalista;

b) eu tenho estilos e receitas como referência mas não como lei. Crio e aperfeiçoo minhas receitas eu mesmo. Sigo o meu nariz. Chame-me de independente;

c) eu gosto de fazer cerveja. Não quero um equipamento fazendo ela pra mim. Eu mesmo faço com equipamentos controlados sem automação. Chame-me de artesão;

d) eu gosto de cerveja com gosto de cerveja. Raramente uso adjuntos (nada contra quem usa). Chame-me de purista.


Portanto podemos dizer que a minha filosofia cervejeira é minimalista, independente, artesã e purista.
Boa Cassaro!!!
Vou prestar ainda mais atenção nos seus comentários no fórum. Parece q meu objetivo se assemelha com o que vc faz. Ficarei atento. Abraço.
 

Ricardo1984

Active Member
Afiliado
13/5/21
Mensagens
36
Localização
Santa Catarina
Tópico muito legal!
Eu comecei com influencia de um professor da primeira faculdade em 2017, aí tentei BIAB "sem" equipamentos, sendo o bag uma fronha de travesseiro e o fermentador um balde de mel com um furo para blow off, fervura foi de deixar o líquido pela metade e a fermentação debaixo da cama do meu quarto kkkk bom, eu comprei 5kg de maltes diversos pois não sabia montar a receita e 3 pacotes de lupulo pois não estudei NADA antes daquilo. Saiu uma quatrupel IPA hahahahaha. Foi bebido uma garrafa e o resto foi fora.
Depois disso, fui pro Youtube e realmente, seja gringo ou BR tem muita coisa, com isso comprei tudo para 10L de BIAB, melhorou bastante. Atualmente é carbonatação forçada e fundo falso, 30 litros e duas brassagens no mês, ocasionalmente vendo algumas garrafas que o pessoal pede e estou para começar Produção Cervejeira e um curso de Sommelier.
A filosofia deve ser na MINHA humilde opinião: se divirta, capriche, experimente, inove ou seja purista, estude bastante se for do seu agrado ou apenas faça o simples bem feito. Seja feliz fazendo sua cerveja.
Eu ri muito da sua experiência. Bom, eu tentei fazer alguma coisa fermentável no passado com água com açúcar e fermento de pão para ver se dava certo e não saiu nada.. rs. Acho q entendi agora um pouco melhor sobre o que é "purista". Valeu.
 

Cláudio Cruz

Member
Afiliado
19/5/18
Mensagens
5
Localização
São José dos Pinhais
Excelente tópico! Comecei em 2017, tribloco e produção de 25L, hj por força das circunstâncias, no biab de 10L. Esse fórum me ajudou e ajuda muito! Isso além do material vasto existente sobre o tema. Já foram várias brassagens e costumo aprecia-las como se fossem as últimas. Brinco com a minha esposa dizendo que se ela gostou, aproveite, pq não sai outra igual... Essa diversidade e infinidade de possibilidades desse universo cervejeiro é o que mais me atrai e me motiva pra tentar a próxima receita. A idéia é sempre tentar uma diferente, seja nos ingredientes ou no processo.
 

Budha

Well-Known Member
Afiliado
17/10/16
Mensagens
150
O Espacinho Gostoso eim!


Nossa filosofia é explorar o extenso e infinito universo de possibilidades que este Hobby proporciona.... e o dia que sermos uma cervejaria vamos sacudir o mundo!

Pois Jamais ficamos em padrões, desde nossa quinta brassagem das 120 já feitas produzimos nossos próprios sabores, fazemos nossos próprio Grist, Lúpulo Malte e Levedura são minuciosamente selecionados com a perspectiva de materializar algo que surge como um sonho, aceitamos que aqui trabalha o lado feminino da criação e lá no braço diante do fogareiro é o lado masculino....

Ouve um tempo que ao provar aquilo imaginado tínhamos que se não verificado era tido como um erro, e por muitas brassagens assim me considerei um ruim "Mestre".... no entanto a alquimia me ensinou que o imaginado e o realizado são partes, e ao se unirem criam algo inimaginado, algo que na realidade tínhamos apenas um vislumbre...assim passei a esquecer tudo e abro uma garrafa de cada brassagem as 9 da matina, abro a receita e vejo o que tem ali diante de mim....

Essa forma de fazer desprende vc dos padrões do BJCP e permite CRIAR! Pois aquilo tudo é só Norte.

Nossas premissas são:
a) não usar nenhum químico na cerveja (agora também viemos remoldando essa deixa, sais da água fizemos uns testes, vit. C e o peracético no envase tiveram que ser introduzidos ).

b)além de tudo e sobre toda e qualquer padronização, Queremos Surpreender aquele que prova nossas Cervejas, queremos proporcionar uma experiência surreal e sob tudo, Inédita!

PS: Deixo um exemplo que foi uma que chamamos de Maria Sabina, foram adicionados em uma Red Psylocibe cubensis nativos, logicamente em uma dosagem adequada à aqueles que não são deste mundo, o resultado foi que falta cogu, pois todos pedem a cerveja que arranca horas de gargalhadas.... além da química propriamente dita temos que fazer cerveja é um ritual! E resgatamos essa parcela perdida do oficio!

Há velho, sobre processos e equipamentos, nós vai com aquilo que o bolso permite, mas sempre trazendo da facu as aulas de contaminação cruzada, boas práticas de manipulação de alimentos, sem plástico com BPA mas dando preferência sempre pro inox, depois cobre e/ou latão (de novo o bolso).

E tipo.... esse mercúrio retrógado em não sei aonde tá um INFERNO só!
Essa semana de brassagem a receita de 90 litros virou 130 dado a quebra do hidrômetro e puta deslize nas quantidades de água... ainda assim jamais fervi um mosto durante 160 minutos! Isso mesmo PASMEM! 160 min. uhuahuaha, a receita de 130 teve que virar 90 se tornando uma HD. mas se me perguntar se to preocupado.... não tou a... a HD ja fizemos até mais pesada pois bateu apenas 1060 mas a outra com OG de 1036 JAMAIS que eu iria fazer uma OG tão baixa! Então to suave e pronto a experiência.... Fazer Cerveja deve ensinar vc a ver o copo sempre meio cheio, e nunca vazio como eu vinha fazendo ;) :D
 
Última edição:
Topo