• We have implemented the ability to gift someone a Supporting Membership now! When you access the Upgrade page there is now a 'Gift' button. Once you click that you can enter a username to gift an account Upgrade to. Great way to help support this forum plus give some kudos to anyone who has helped you.

PRIMING - Misture a cerveja na calda, E NÃO a calda na cerveja

Ajude o Home Brew Talk Brasil:

EngRocha

Well-Known Member
Afiliado
19/5/17
Mensagens
230
É uma ALE. Eu tbm pensei na possibilidade do manômentro estar vazando.
Uma semana com 4g já deveria estar no mínimo em 1,5 bar apesar da temperatura estar um pouco baixa. Acredito também em vazamento no encaixe do manômetro.
 

Ricardo R.

New Member
Afiliado
13/6/19
Mensagens
3
Localização
São Paulo
Borba, beleza?

Também sou iniciante, mas já vi algo assim no fórum. Pesquise por "não carbonatação" ou algo assim. Alguns caras orientam colocar mais levedura nas cervejas e um pouco de açúcar.
Estou com problema de carbonatação nessa minha última leva (a 6ª que fiz). Todas as demais fiz calda na cerveja e nessa resolvi fazer cerveja na calda (mesmo antes de ler essas mensagens) e as garrafas estão com baixíssima carbonatação (parece refrigerante alguns dias após aberto). Procurei pelo tópico "não carbonatação", mas não achei...

No processo de dry hopping (usei hop bags), usei duplo DH, com uma parte no 3º dia de fermentação e o restante ao final da fermentação (7º dia). Será que a "biotransformação", transformou as leveduras em "preguiçosas" ou "matou" a maioria? É uma APA, fermentei a 18ºC (como sempre faço), fiz descanso de diacetil por 3 dias a 22ºC e cold crash a 0ºC (zero) por 15 dias.
 

EngRocha

Well-Known Member
Afiliado
19/5/17
Mensagens
230
Estou com problema de carbonatação nessa minha última leva (a 6ª que fiz). Todas as demais fiz calda na cerveja e nessa resolvi fazer cerveja na calda (mesmo antes de ler essas mensagens) e as garrafas estão com baixíssima carbonatação (parece refrigerante alguns dias após aberto). Procurei pelo tópico "não carbonatação", mas não achei...

No processo de dry hopping (usei hop bags), usei duplo DH, com uma parte no 3º dia de fermentação e o restante ao final da fermentação (7º dia). Será que a "biotransformação", transformou as leveduras em "preguiçosas" ou "matou" a maioria? É uma APA, fermentei a 18ºC (como sempre faço), fiz descanso de diacetil por 3 dias a 22ºC e cold crash a 0ºC (zero) por 15 dias.
Você usou quantos gramas por litro? Há quanto tempo está carbonatando na garrafa e à qual temperatura?
 
Afiliado
6/1/19
Mensagens
17
Localização
Brasil
Estou com problema de carbonatação nessa minha última leva (a 6ª que fiz). Todas as demais fiz calda na cerveja e nessa resolvi fazer cerveja na calda (mesmo antes de ler essas mensagens) e as garrafas estão com baixíssima carbonatação (parece refrigerante alguns dias após aberto). Procurei pelo tópico "não carbonatação", mas não achei...

No processo de dry hopping (usei hop bags), usei duplo DH, com uma parte no 3º dia de fermentação e o restante ao final da fermentação (7º dia). Será que a "biotransformação", transformou as leveduras em "preguiçosas" ou "matou" a maioria? É uma APA, fermentei a 18ºC (como sempre faço), fiz descanso de diacetil por 3 dias a 22ºC e cold crash a 0ºC (zero) por 15 dias.

Ricardo R, aconteceu a mesma coisa na última brassagem comigo. Sempre tinha feito calda na cerveja. Resolvi experimentar.

O que fiz diferente de você no processo de fermentação, foi um DH e cold crash a 2ºC por 7 dias.


EngRocha. Fiz 6,0g/l e deixei controlado em 24ºC na geladeira, como sempre fiz. Abri com 7 dias a primeira garrafa e depois outra com 14 dias. Tudo igual, muito pouca carbonatação.

Ainda tenho garrafas fechadas mas perdi a esperança.
 
Afiliado
6/1/19
Mensagens
17
Localização
Brasil
Ricardo R, aconteceu a mesma coisa na última brassagem comigo. Sempre tinha feito calda na cerveja. Resolvi experimentar.

O que fiz diferente de você no processo de fermentação, foi um DH e cold crash a 2ºC por 7 dias.


EngRocha. Fiz 6,0g/l e deixei controlado em 24ºC na geladeira, como sempre fiz. Abri com 7 dias a primeira garrafa e depois outra com 14 dias. Tudo igual, muito pouca carbonatação.

Ainda tenho garrafas fechadas mas perdi a esperança.


Ricardo R, eu abri quase toda a minha produção e tive algumas poucas garrafas com baixa carbonatação e outras poucos com alta carbonatação. E a maioria sem carbonatação.

Então, minha conclusão é que acho que deu alguma coisa errada nesse processo sugerido pelo Guenther. Acho que aquele leve whirpool que deveria rolar, não rolou. Acho que a calda não misturou comigo.

Não sei se o seu problema é o mesmo.
 

Ricardo R.

New Member
Afiliado
13/6/19
Mensagens
3
Localização
São Paulo
Você usou quantos gramas por litro? Há quanto tempo está carbonatando na garrafa e à qual temperatura?
Usei 6g/L e já tinha carbonatado na garrafa por 14 dias em temperatura ambiente. O interessante é que, no mesmo dia em que escrevi minha mensagem inicial (5ª feira passada, 05Dez), abri uma garrafa à noite (que pus para gelar à tarde) e espumou muito (vide foto). Super carbonatacao.JPG Não me pareceu contaminação, pois o aspecto, os aromas e o sabor estavam OK. Com isso,mandei todas as demais garrafas para a geladeira (por receio de algumas estarem super carbonatadas e terem risco de explodir). As que abri essa semana estavam com alguma carbonatação (maior que as iniciais), mas precisava elevar muito a garrafa para fazer espuma.
Assim, não sei se o leve whirpool que deveria ter rolado foi insuficiente ou se foi esse DH na fermentação ativa que mexeu com as leveduras.
 
Afiliado
6/1/19
Mensagens
17
Localização
Brasil
Usei 6g/L e já tinha carbonatado na garrafa por 14 dias em temperatura ambiente. O interessante é que, no mesmo dia em que escrevi minha mensagem inicial (5ª feira passada, 05Dez), abri uma garrafa à noite (que pus para gelar à tarde) e espumou muito (vide foto). Ver anexo 122873 Não me pareceu contaminação, pois o aspecto, os aromas e o sabor estavam OK. Com isso,mandei todas as demais garrafas para a geladeira (por receio de algumas estarem super carbonatadas e terem risco de explodir). As que abri essa semana estavam com alguma carbonatação (maior que as iniciais), mas precisava elevar muito a garrafa para fazer espuma.
Assim, não sei se o leve whirpool que deveria ter rolado foi insuficiente ou se foi esse DH na fermentação ativa que mexeu com as leveduras.

Tive umas poucas garrafas assim tb. Acho aconteceu a mesma coisa com a gente. Não misturou direito. Faltou a técnica! Hahahaha
 

EngRocha

Well-Known Member
Afiliado
19/5/17
Mensagens
230
Como faço, e não tenho priblemas!

Hoje só faço assim. Tive muitos problemas de carbonatação excessiva em algumas das garrafas quando colocava primeiro a calda de prime e depois a cerveja. Acho que a calda "grudava" no fundo, sei lá.
 

Pimentel Celso

New Member
Afiliado
25/6/20
Mensagens
1
Localização
São Bento do Sul /SC
Pessoal,

Muitos, mas muitos cervejeiros que vejo por aí eventualmente tem problemas de homogeneização de carbonatação em suas garrafas ao fazerem priming/refermentação misturando tudo e depois engarrafando, e acabam partindo pra técnica de colocar açúcar garrafa por garrafa (que é mais demorado, menos preciso, etc) sem saber exatamente o motivo de não ter sucesso com a maneira clássica.

O motivo de terem problemas é quase sempre o mesmo: as pessoas preparam a calda do priming, e misturam a calda na cerveja, quando o correto é misturar A CERVEJA NA CALDA.

Vejam bem, peguem uma calda com açúcar derretido, ou mesmo chocolate derretido, e pensem no que acontece quando deixamos uma gota ou um fiozinho deste líquido cair em uma superfície ou líquido frio? Simples, o açúcar cristaliza na hora, vira uma bala, um caramelo, tal qual deixar uma gota de mosto quente cair em uma mesa ou no chão.

Então, quando cervejeiros vão misturar o priming no balde que contem a cerveja, o que acontece? O priming vai entrando na cerveja, cristaliza na hora, e vai pro fundo, e depois mesmo mexendo e misturando, nunca há garantia de que esses cristais vão se desmanchar, e aí o que acontece? Algumas garrafas acabam sem açúcar, e outras com um monte e até explodem.

---

Bom, qual é a maneira mais correta de fazer para evitar esse problema? Simples, é preciso sempre misturar A CERVEJA NA CALDA. Mais hein??? :confused:

Sim. O que ocorre quando temos uma calda com açúcar derretido e vamos misturando um líquido (mesmo gelado) nela? Ela cristaliza? Não, o que acontece é que a calda mais diminuindo de temperatura gradualmente, o teor de açúcar gradualmente, tudo se mistura homogeneamente, e nenhum açúcar cristaliza.

Ou seja, não é por acaso que no livro How to Brew o Palmer recomenda que a maneira mais prática e segura de todas é pegar outro balde lavado e sanitizado, colocar a calda ainda quente nele (esperar ela esfriar só vai prejudicar já que a calda vai ficando cada vez mais micro-cristalizada) e transferir a cerveja do fermentador original para o balde, até porque dessa forma, no caso dos baldes normais como fermentador, nos livramos de toda a borra do fermento.

Então, novamente, o ideal é: misturar a cerveja na calda lentamente, para diluir a calda devagar, e nunca dar um choque nela. Isso garante homogeneização quase perfeita!

- "Mas Guenther, e no meu caso que uso cônico e quero engarrafar direto nele e já purgo o fermento antes?"

Bom, nesse caso, vais ter que fazer o que não é tão ideal, misturar a calda na cerveja. Nesse caso, o ideal seria pegar o recipiente que contem a calda (um erlenmeyer, por exemplo), tirar cerveja pela torneira do fermentador e passar um pouco dela lentamente misturando na calda (balançando o erlenmeyer em círculos, por exemplo), diluindo previamente a concentração de açúcar da mesma, e baixando um pouco a temperatura dela (novamente, cerveja na calda, e não a calda na cerveja).

Tendo a calda diluída e já com a temperatura mais baixa, a chance de cristalização ao misturar no resto da cerveja é muito menor. Ao fazer tudo isso, se puderem purgar o oxigênio do erlenmeyer, melhor, mas isso seria um luxo. Mas lembre-se, ao despejar a calda diluída na cerveja, vá despejando só um fiozinho e misturando a cerveja com uma colher constantemente.

- "Mas Guenther, por que misturar garrafa por garrafa é pior?"

Isso eu sempre gosto de responder com uma analogia.

Imagine que você tem a tarefa de fazer 50 copos de suco utilizando água e suco em pó, sendo que há vários copos de tamanho diferentes, e você precisa fazer todos os sucos com a mesma concentração de suco em cada um deles, independente do tamanho do copo. Nesse caso, qual a opção mais prática, rápida, e precisa?

A - Estimar a quantidade de ml para cada copo, dosar em gramas a quantidade de suco em pó pra cada um com precisão, colocar o suco, colocar a água, e misturar?

B - Pegar uma jarra grande, colocar todo o suco, toda a água, misturar, e encher todos independente do tamanho de cada um?

Obviamente, a opção B leva vantagem em tudo, desde que você misture o suco na jarra direito.

------

Gosto pessoal é uma coisa que respeitamos, não discutimos, então tem gente que simplesmente gosta de fazer garrafa por garrafa e pronto.

No entanto, deixando gosto pessoal de lado, nem romantismo, sem orgulho, e analisando friamente as duas técnicas, é claro que misturar tudo junto e depois engarrafar é muito mais seguro e menos propenso a erros de 1ml aqui, outro ali, basta.......... misturar A CERVEJA NA CALDA, e não a calda na cerveja. :mug:


EDIT 1: pessoal, só pra lembrar... tudo isso não quer dizer que, se vc fizer diferente e misturar a calda na cerveja, que VAI dar problema. Na verdade, pode de repente nunca dar problema porque vc mistura muito bem, etc. A questão aqui é entender o motivo físico pelo qual muito muitas vezes o problema acontece quando parece que fizemos tudo certo, e com resolver facilmente. Adicionei isso antes que já comecem a surgir os clássicos "mas eu sempre fiz assim e nunca deu problema".... :)


Abraço,
Super dica, agora me convenceu de deixar de fazer garrafa por garrafa.

Parabéns pela postagem Guenther.
 

Latest posts

Topo