Melhor fogão/Automatização para brassagem

Discussão em 'Equipamentos, Técnicas e Processos' iniciado por Mombelli, 12/2/18.

  1. 12/2/18 #1

    Mombelli

    Mombelli

    Mombelli

    New Member

    Afiliado:
    27/11/17
    Mensagens:
    2
    Curtidas Recebidas:
    0
    Olá a todos.
    Estou a procura do melhor tipo de fogão para a brassagem a gás, bem como eu poderia ter uma automatização do meu sistema para controle de temperatura (nas rampas de brassagem) neste fogão.
    No fórum achei alguns textos sobre chama piloto, sistemas, etc....
    No meu caso teria de ser a gás, visto que o elétrico não quero investir agora.
    Vocês poderiam me ajudar com indicações de texto/equipamentos necessários?
    Obrigado
     
  2. 13/2/18 #2

    Alex

    Alex

    Alex

    Well-Known Member

    Afiliado:
    7/9/16
    Mensagens:
    242
    Curtidas Recebidas:
    55
    Mombelli
    Vou te dar minha opinião. Depois que passei a usar Infusão Simples na mosturação, NUNCA MAIS utilizei rampas de temperatura (nem para weiss). Simplifica tudo e, para fogão à gás, nem se fala. Já são mais de cem brassagens só com infusão simples. Totalmente desnecessário usar rampas de temperatura. Está cheio de publicações sérias sobre isso, então não vou ficar aqui defendendo isso e criticando aquilo... Faz uma brassagem sem rampas para testar o resultado e conversa com outras pessoas que fazem isso.
     
  3. 16/2/18 #3

    JoaoJuliano

    JoaoJuliano

    JoaoJuliano

    Well-Known Member

    Afiliado:
    25/11/16
    Mensagens:
    58
    Curtidas Recebidas:
    28
    Agora a minha opinião:

    Panelas elétricas são muito mais fáceis de se automatizar do que as com gás.

    Tu te engana se acha que vai gastar mais na elétrica, porque ainda é capaz de gastar menos. Sem falar que o custo de cada brassagem cai bastante também. Então se o motivo for só o investimento, dá uma pesquisada aí que talvez você mude de ideia. Eu fui pra um elétrico e não me arrependo por nada.

    Outra coisa: qual o volume que pretende produzir? Essa informação é importante nesse caso.

    Abraço!
     
  4. 17/2/18 #4

    Mombelli

    Mombelli

    Mombelli

    New Member

    Afiliado:
    27/11/17
    Mensagens:
    2
    Curtidas Recebidas:
    0
    Obrigado pelas opiniões, Alex e João.
    Eu pretendo produzir 40 litros de cerveja.
     
  5. 18/2/18 #5

    Guilhermecfs

    Guilhermecfs

    Guilhermecfs

    Well-Known Member

    Afiliado:
    1/8/16
    Mensagens:
    59
    Curtidas Recebidas:
    10
    Discordo. Se rampas de temperatura fossem desnecessárias, cervejeiros sérios como Gordon Strong, Brau Kaiser, Scott Janish e diversas receitas campeões do NHC não usariam rampas de temperatura. A questão - muito válida - é que com os maltes altamente modificados que temos hoje, e com os maltes com altas quantidades de dextrinas, além de adjuntos como aveia, você consegue usar uma infusão simples e ter bom controle sobre a fermentabilidade, corpo e retenção de espuma. Para praticamente todos os estilos de Ales você consegue controlar esses parâmetros e chegar num objetivo, poupando o trabalho e a dificuldade que é trabalhar com rampas de temperatura... Além disso tem questões como sais para tratar água e fermentos diferentes que são mais importantes que necessariamente uma diferença de dois ou três graus numa infusão simples. As chances são de você fazer rampas demais, ou mantê-las por tempo demais, e terminar com uma cerveja com MENOS corpo do que pretendia, menos retenção, enfim..
    Mas com um equipamento RIMS por exemplo, com bom controle das rampas e do processo, não vejo porque não fazer isso. Principalmente quando a cerveja em questão é uma lager por exemplo, em que você pode querer alta fermentabilidade (seca), mas ainda assim um sabor realçado do malte, como uma pilsner checa ou uma helles. Aí sim, controlando esses parâmetros de rampa e MAIS o uso de determinados maltes, fermentos, perfil de água e processos, você pode conseguir uma lager ou mesmo uma ale num nível de excelência...
    Ainda assim tem a discussão: a grande maioria das pessoas não vai conseguir diferenciar uma cerveja feita com determinado processo de outra feita apenas com uma infusão simples! Aliás, possivelmente mesmo juízes de competições cervejeiras podem não distinguir um processo do outro. É o caso de emular o longo processo de decocção usando rampas de temperatura alta e melanoidina em algumas pisners. Então se você vai arriscar seu resultado e ter muito mais trabalho por um resultado que pra VOCÊ não faz muita diferença, pode fazer uma infusão simples tranquilamente.
    Monte esse sistema (de preferência com resistências elétricas), e quando estiver com total controle sobre o processo de recirculação e temperatura, aí dá pra começar a brincar com rampas... Por enquanto, não precisa esquentar tanto a cabeça com isso...
     

Compartilhe esta Página