• We have implemented the ability to gift someone a Supporting Membership now! When you access the Upgrade page there is now a 'Gift' button. Once you click that you can enter a username to gift an account Upgrade to. Great way to help support this forum plus give some kudos to anyone who has helped you.

Existe problema em atenuar demais??? FG 1002

Ajude o Home Brew Talk Brasil:

Afiliado
17/12/19
Mensagens
23
Localização
Juiz de Fora
Opa, bom dia Luiz. Vou pontuar algumas coisas:

1 - Quanto tempo de beta e alfa você fez ? Essa informação é muito importante para podermos te ajudar
2 - Qual levedura usou, a atenuação depende muito dessa informação também
3 - Sim, pode ser contaminação, mas geralmente esse tipo de contaminação muda algumas características sensoriais da cerveja, então você consegue notar.
4 - Eu faço sanitização como você quando faço cerveja em casa, mas você precisa se atentar para a concentração de Peracético, se estiver tudo ok, então você pode ser que sua cerveja seja contaminada no Dry Hop (não costuma ser tão fácil contaminar nessa etapa).

Assim que você fornecer as informações sobre levedura e rampas de mosturação talvez fique mais fácil de achar seu problema.

Att.
Segue o processo e receita abaixo:

Equipamento é uma panela elétrica 52l inverse
9kg Pale Ale belga
1kg de Cara ruby
20g Zeus
200g de Cascade (100g para dry hooping)
Fermento US-05 seco, fiz starter a 30º, com água fervida e resfriada até esta temperatura...

Água inicial 30l
Mash-in 80min a 66º
Lavagem 25l
Mash-out 10min a 76º

Fervura 60min
20g Zeus 60min
100g Cascade 10min
100g Cascade Dry hoopin

Sanitização 20ml para cada 10l, no caso coloquei 10l de água no fermentador nesta concentração e fui mexendo ele várias vezes, virando de cabeça pra baixo para ter contato com tudo, não enchi ele até a boca, e depois de tirar o ácido eu dou boas burrifadas com álcool 70%, no dry hooping uso Hop Bag Inox, esta sanitizei só com álcool 70%, sanitizei até a tesoura que abri o pacote do lúpulo...rsrsrs
 
Afiliado
17/12/19
Mensagens
23
Localização
Juiz de Fora
Amigo uma sugestão Cerveja fermentada uso o Densimetro. Mesmo calibrando meu refractometro na minha última brassagem minha FG em Densimetro dava 1010 (o esperado era 1011) e corrigindo o valor do Densimetro me dava 1006. As vezes o álcool faz a leitura não ser tão precisa mesmo fazendo a correção. Capaz sua FG não esteja tão baixa assim e o problema não é tão grande como vc tá pensando.

Como comentou o amigo @Inglorious Brewers a temperatura de mash e a cepa de levedura são importantes também para poder entender o problema. Levedura seca o líquida?

Cheers.
Bom dia Gustavo, obrigado pela ajuda, sobre usar o densímetro a amostra ainda esta bem turva, acho que dá diferença com uso do densímetro? Vou refazer a leitura hoje de noite com uma amostra de 250ml e densímetro pra ver o que dá, mais sempre usei o refratrômetro e dá sempre bem próximo ou igual, após a conversão.
 
Afiliado
17/12/19
Mensagens
23
Localização
Juiz de Fora
Amigo uma sugestão Cerveja fermentada uso o Densimetro. Mesmo calibrando meu refractometro na minha última brassagem minha FG em Densimetro dava 1010 (o esperado era 1011) e corrigindo o valor do Densimetro me dava 1006. As vezes o álcool faz a leitura não ser tão precisa mesmo fazendo a correção. Capaz sua FG não esteja tão baixa assim e o problema não é tão grande como vc tá pensando.

Como comentou o amigo @Inglorious Brewers a temperatura de mash e a cepa de levedura são importantes também para poder entender o problema. Levedura seca o líquida?

Cheers.
Respondi 2x, não sei como apagar...rsrs
 
Afiliado
17/12/19
Mensagens
23
Localização
Juiz de Fora
Fala meus amigos cervejeiros estou numa felicidade, o danado do refratrometro que me assustou medi com densimetro e marcou 1011 previsão de fechar o em 1009. Graças a Deus um dos lotes do Carnaval está a salvo... Rsrs agora é dureza ficar perdendo 250ml cada vez que precisamos medir a densidade ...
 

GBP

Well-Known Member
Afiliado
10/7/18
Mensagens
56
Localização
São Paulo
Fala meus amigos cervejeiros estou numa felicidade, o danado do refratrometro que me assustou medi com densimetro e marcou 1011 previsão de fechar o em 1009. Graças a Deus um dos lotes do Carnaval está a salvo... Rsrs agora é dureza ficar perdendo 250ml cada vez que precisamos medir a densidade ...
Luiz,

guarde esses 250ml e utilize para fazer um starter na próxima leva... pelo menos a perda é menor... rs
 

GBP

Well-Known Member
Afiliado
10/7/18
Mensagens
56
Localização
São Paulo
bom então joga fora... 1011 é a og final, como eu faço medições antes de terminar a fermentação para acompanhar, nem sempre pego algo com 1011, as vezes 1030, 1025, 1040... vai de cada um...
 

Fred_80

New Member
Afiliado
5/2/20
Mensagens
3
Tive o mesmo problema na última cerveja que fiz, uma Pilsen. A densidade inicial foi 1045 e a densidade final chegou a 1002, quando o esperado era por volta de 1010. Medição com densímetro. Fiz a brassagem a 67ºC (1 hora), com uma rampa de 72°C (15 minutos) e mash out de 10 minutos. Utilizei malte Pilsen e Viena, meio a meio. Logo, foram gerados açúcares complexos e a densidade final não era pra ficar tão baixa, como diz a teoria. Fermentação de 15 dias com lama reaproveitada YLP - 800 (Whitelabs) a 12ºc, sendo que os 3 últimos dias a 15°C. Maturação de 30 dias a 3°C, sendo que nos últimos 5 dias, temperatura de 0°C. Da mesma forma que o colega que criou o post, tomei muito cuidado com limpeza e sanitização.Como resultado final, a cerveja ficou seca, muito límpida e os sabores de malte ficaram bem sutis, quase imperceptíveis. Ficou uma boa cerveja e certamente não vai durar muito tempo, porém não ficou em conformidade com o que foi projetado e nem seguiu o padrão da teoria. Pelo que percebi esse problema não é tão incomum de ocorrer.
 

thiagodifoiz

Well-Known Member
Afiliado
8/4/16
Mensagens
260
Recentemente fiz uma German Pils, projetei para atenuar até 1.008/9 utilizei o fermento w34/70 da ferments, essa cepa realmente atenua mais, o que é bom pois o estilo exige uma cerveja mais seca. Minha receita deu FG de: 1.006 (mais que o projetado)

Tive o mesmo problema na última cerveja que fiz, uma Pilsen. A densidade inicial foi 1045 e a densidade final chegou a 1002, quando o esperado era por volta de 1010. Medição com densímetro. Fiz a brassagem a 67ºC (1 hora), com uma rampa de 72°C (15 minutos) e mash out de 10 minutos. Utilizei malte Pilsen e Viena, meio a meio. Logo, foram gerados açúcares complexos e a densidade final não era pra ficar tão baixa, como diz a teoria. Fermentação de 15 dias com lama reaproveitada YLP - 800 (Whitelabs) a 12ºc, sendo que os 3 últimos dias a 15°C. Maturação de 30 dias a 3°C, sendo que nos últimos 5 dias, temperatura de 0°C. Da mesma forma que o colega que criou o post, tomei muito cuidado com limpeza e sanitização.Como resultado final, a cerveja ficou seca, muito límpida e os sabores de malte ficaram bem sutis, quase imperceptíveis. Ficou uma boa cerveja e certamente não vai durar muito tempo, porém não ficou em conformidade com o que foi projetado e nem seguiu o padrão da teoria. Pelo que percebi esse problema não é tão incomum de ocorrer.
 

EngRocha

Well-Known Member
Afiliado
19/5/17
Mensagens
230
Densidade muito baixa, na minha opinião, decorre de pequena contaminação, que fica imperceptível no paladar. Pra mim ela fica muito seca, um pouco ácida, parecendo vinho branco seco, principalmente se tiver alta carbonatação. Não aprecio, mas não jogo fora. Acabo tomando todas elas, kkk.
 

Inglorious Brewers

Well-Known Member
Afiliado
28/12/18
Mensagens
247
Localização
São Paulo
Tive o mesmo problema na última cerveja que fiz, uma Pilsen. A densidade inicial foi 1045 e a densidade final chegou a 1002, quando o esperado era por volta de 1010. Medição com densímetro. Fiz a brassagem a 67ºC (1 hora), com uma rampa de 72°C (15 minutos) e mash out de 10 minutos. Utilizei malte Pilsen e Viena, meio a meio. Logo, foram gerados açúcares complexos e a densidade final não era pra ficar tão baixa, como diz a teoria. Fermentação de 15 dias com lama reaproveitada YLP - 800 (Whitelabs) a 12ºc, sendo que os 3 últimos dias a 15°C. Maturação de 30 dias a 3°C, sendo que nos últimos 5 dias, temperatura de 0°C. Da mesma forma que o colega que criou o post, tomei muito cuidado com limpeza e sanitização.Como resultado final, a cerveja ficou seca, muito límpida e os sabores de malte ficaram bem sutis, quase imperceptíveis. Ficou uma boa cerveja e certamente não vai durar muito tempo, porém não ficou em conformidade com o que foi projetado e nem seguiu o padrão da teoria. Pelo que percebi esse problema não é tão incomum de ocorrer.
Fred, blz ? Na verdade o problema não é com a teoria, mas sim como a forma como aprendemos a lidar com alimentos em geral e, em especial, com a cerveja. Trabalhar com qualquer tipo de alimento é uma ciência bastante complicada, ainda mais envolvendo a atividade de organismos vivos. Se todo cervejeiro fosse tentar fazer cerveja controlando todas as variáveis reais que existem, seria inviável a prática do Homebrew e da micro cervejaria. A teoria está certa, mas ela também está simplificada justamente para facilitar a vida, já que as coisas caminham dentro do esperado a maior parte das vezes. Existem vários fatores que podem corroborar com uma alta atenuação e eu precisaria ver de perto sua situação. Mas eu diria para você verificar algumas coisas simples (sei que é irritante quando já verificamos isso, mas eu preciso falar):

- Verificar os termômetros
- Verificar o densímetro
- Verificar o pH do mosto
- Verificar possível contaminação por S. diastáticus (Fica "visível" em longo prazo, pode causar gushing futuramente)
- Verificar pequena contaminação por leveduras utilizadas em fermentações anteriores (principalmente se fez Saison ou coisa do tipo)
- Verificar com cuidado se o pH da cerveja pronta está também muito baixo, pois isso pode indicar pequenas contaminações que vão desde Breta até A. niger e etc.
- Verificar se não houve problema de mutação na lama (Eu descarto isso completamente, mas não custa comentar.)

Eu sei que você deve se esforçar bastante para fazer uma ótima sanitização, mas todo mosto está por natureza contaminado, o que fazemos é sempre favorecer que a nossa levedura ganhe a competição por alimento e elimine a concorrência o máximo possível. Se você teve uma pequena contaminação por levedura selvagem ou alguma bactéria que está ficando mais resistente, ela pode ficar viva no seu mosto durante toda a etapa de fermentação, mas com atividade reduzida, sem dominar significativamente o perfil da cerveja.

Att.
 

EngRocha

Well-Known Member
Afiliado
19/5/17
Mensagens
230
Fred, blz ? Na verdade o problema não é com a teoria, mas sim como a forma como aprendemos a lidar com alimentos em geral e, em especial, com a cerveja. Trabalhar com qualquer tipo de alimento é uma ciência bastante complicada, ainda mais envolvendo a atividade de organismos vivos. Se todo cervejeiro fosse tentar fazer cerveja controlando todas as variáveis reais que existem, seria inviável a prática do Homebrew e da micro cervejaria. A teoria está certa, mas ela também está simplificada justamente para facilitar a vida, já que as coisas caminham dentro do esperado a maior parte das vezes. Existem vários fatores que podem corroborar com uma alta atenuação e eu precisaria ver de perto sua situação. Mas eu diria para você verificar algumas coisas simples (sei que é irritante quando já verificamos isso, mas eu preciso falar):

- Verificar os termômetros
- Verificar o densímetro
- Verificar o pH do mosto
- Verificar possível contaminação por S. diastáticus (Fica "visível" em longo prazo, pode causar gushing futuramente)
- Verificar pequena contaminação por leveduras utilizadas em fermentações anteriores (principalmente se fez Saison ou coisa do tipo)
- Verificar com cuidado se o pH da cerveja pronta está também muito baixo, pois isso pode indicar pequenas contaminações que vão desde Breta até A. niger e etc.
- Verificar se não houve problema de mutação na lama (Eu descarto isso completamente, mas não custa comentar.)

Eu sei que você deve se esforçar bastante para fazer uma ótima sanitização, mas todo mosto está por natureza contaminado, o que fazemos é sempre favorecer que a nossa levedura ganhe a competição por alimento e elimine a concorrência o máximo possível. Se você teve uma pequena contaminação por levedura selvagem ou alguma bactéria que está ficando mais resistente, ela pode ficar viva no seu mosto durante toda a etapa de fermentação, mas com atividade reduzida, sem dominar significativamente o perfil da cerveja.

Att.
Perfeita colocação.
 

EngRocha

Well-Known Member
Afiliado
19/5/17
Mensagens
230
Fred, blz ? Na verdade o problema não é com a teoria, mas sim como a forma como aprendemos a lidar com alimentos em geral e, em especial, com a cerveja. Trabalhar com qualquer tipo de alimento é uma ciência bastante complicada, ainda mais envolvendo a atividade de organismos vivos. Se todo cervejeiro fosse tentar fazer cerveja controlando todas as variáveis reais que existem, seria inviável a prática do Homebrew e da micro cervejaria. A teoria está certa, mas ela também está simplificada justamente para facilitar a vida, já que as coisas caminham dentro do esperado a maior parte das vezes. Existem vários fatores que podem corroborar com uma alta atenuação e eu precisaria ver de perto sua situação. Mas eu diria para você verificar algumas coisas simples (sei que é irritante quando já verificamos isso, mas eu preciso falar):

- Verificar os termômetros
- Verificar o densímetro
- Verificar o pH do mosto
- Verificar possível contaminação por S. diastáticus (Fica "visível" em longo prazo, pode causar gushing futuramente)
- Verificar pequena contaminação por leveduras utilizadas em fermentações anteriores (principalmente se fez Saison ou coisa do tipo)
- Verificar com cuidado se o pH da cerveja pronta está também muito baixo, pois isso pode indicar pequenas contaminações que vão desde Breta até A. niger e etc.
- Verificar se não houve problema de mutação na lama (Eu descarto isso completamente, mas não custa comentar.)

Eu sei que você deve se esforçar bastante para fazer uma ótima sanitização, mas todo mosto está por natureza contaminado, o que fazemos é sempre favorecer que a nossa levedura ganhe a competição por alimento e elimine a concorrência o máximo possível. Se você teve uma pequena contaminação por levedura selvagem ou alguma bactéria que está ficando mais resistente, ela pode ficar viva no seu mosto durante toda a etapa de fermentação, mas com atividade reduzida, sem dominar significativamente o perfil da cerveja.

Att.
Como ocorrre a contaminação por S. diastáticus?
 

Inglorious Brewers

Well-Known Member
Afiliado
28/12/18
Mensagens
247
Localização
São Paulo
Como ocorrre a contaminação por S. diastáticus?
Isso depende bastante, mas no geral ocorre no envase, que é o local onde ocorre grande parte das contaminações. No caso do S. diastaticus, você terá uma contaminação que demora muito tempo para aparecer, pois, após o envase, o var. diastaticus lentamente vai quebrando os carboidratos complexos em glucose que será consumida por toda levedura presente na garrafa. Caso você consuma rapidamente a cerveja, dificilmente notará esse tipo de contaminação, mas em levas que você demora mais tempo para consumir e nota que a carbonatação parece que vai aumentando com o tempo, provavelmente está contaminada.

A S. diastaticus é uma variante natural da S. cerevisiae (S. cerevisiae var. diastaticus), por esse motivo ela está bastante presente nas cervejarias e equipamentos cervejeiros. No geral ela contamina no envase, mas não é difícil encontrar ela na lama, tem um artigo legal do Meier-Dornberg de 2017 que trata disso. Embora não muito comum de se ver efeitos já na fermentação, uma lama reaproveitada e com certo nível de contaminação por var. diastaticus, pode levar a uma cerveja mais seca do que se espera no final, isso porque quando o açúcar fermentável acabar, a var. diastaticus vai hidrolisar as dextrinas do mosto em açúcares fermentáveis.
 

EngRocha

Well-Known Member
Afiliado
19/5/17
Mensagens
230
Isso depende bastante, mas no geral ocorre no envase, que é o local onde ocorre grande parte das contaminações. No caso do S. diastaticus, você terá uma contaminação que demora muito tempo para aparecer, pois, após o envase, o var. diastaticus lentamente vai quebrando os carboidratos complexos em glucose que será consumida por toda levedura presente na garrafa. Caso você consuma rapidamente a cerveja, dificilmente notará esse tipo de contaminação, mas em levas que você demora mais tempo para consumir e nota que a carbonatação parece que vai aumentando com o tempo, provavelmente está contaminada.

A S. diastaticus é uma variante natural da S. cerevisiae (S. cerevisiae var. diastaticus), por esse motivo ela está bastante presente nas cervejarias e equipamentos cervejeiros. No geral ela contamina no envase, mas não é difícil encontrar ela na lama, tem um artigo legal do Meier-Dornberg de 2017 que trata disso. Embora não muito comum de se ver efeitos já na fermentação, uma lama reaproveitada e com certo nível de contaminação por var. diastaticus, pode levar a uma cerveja mais seca do que se espera no final, isso porque quando o açúcar fermentável acabar, a var. diastaticus vai hidrolisar as dextrinas do mosto em açúcares fermentáveis.
Entendi. Eu costumo fazer um starter com 800ml a mais do que preciso e coloco em um vidro de 800ml fervido por 30 min com a tampa (tipo o de palmito) deixo decantar e coloco na geladeira para a próxima cerva. Faço isso até 3 vezes, depois compro outro fermento líquido.
Eu já estava desconfiado que a alta atenuação depois de a garrafa estar guardada por alguns meses tinha alguma coisa a ver com o starter. Inclusive já notei diferença no sabor de uma leva da terceira geração do fermento.
Muito obrigado pelas valiosas informações que sempre você coloca aqui. São muitos esclarecedoras.
 

Fred_80

New Member
Afiliado
5/2/20
Mensagens
3
Fred, blz ? Na verdade o problema não é com a teoria, mas sim como a forma como aprendemos a lidar com alimentos em geral e, em especial, com a cerveja. Trabalhar com qualquer tipo de alimento é uma ciência bastante complicada, ainda mais envolvendo a atividade de organismos vivos. Se todo cervejeiro fosse tentar fazer cerveja controlando todas as variáveis reais que existem, seria inviável a prática do Homebrew e da micro cervejaria. A teoria está certa, mas ela também está simplificada justamente para facilitar a vida, já que as coisas caminham dentro do esperado a maior parte das vezes. Existem vários fatores que podem corroborar com uma alta atenuação e eu precisaria ver de perto sua situação. Mas eu diria para você verificar algumas coisas simples (sei que é irritante quando já verificamos isso, mas eu preciso falar):

- Verificar os termômetros
- Verificar o densímetro
- Verificar o pH do mosto
- Verificar possível contaminação por S. diastáticus (Fica "visível" em longo prazo, pode causar gushing futuramente)
- Verificar pequena contaminação por leveduras utilizadas em fermentações anteriores (principalmente se fez Saison ou coisa do tipo)
- Verificar com cuidado se o pH da cerveja pronta está também muito baixo, pois isso pode indicar pequenas contaminações que vão desde Breta até A. niger e etc.
- Verificar se não houve problema de mutação na lama (Eu descarto isso completamente, mas não custa comentar.)

Eu sei que você deve se esforçar bastante para fazer uma ótima sanitização, mas todo mosto está por natureza contaminado, o que fazemos é sempre favorecer que a nossa levedura ganhe a competição por alimento e elimine a concorrência o máximo possível. Se você teve uma pequena contaminação por levedura selvagem ou alguma bactéria que está ficando mais resistente, ela pode ficar viva no seu mosto durante toda a etapa de fermentação, mas com atividade reduzida, sem dominar significativamente o perfil da cerveja.

Att.
Obrigado pelas dicas!
Do check list que vc montou, apenas não costumo fazer medição do PH da cerveja pronta ( vai entrar na minha lista), e também não tenho como saber se houve contaminação por leveduras selvagens ou bactérias, pois a cerveja não apresenta sinais aparentes de contaminação (não que eu tenha percebido), nem gushing. Mas, por se tratar de uma lama que já reaproveitei várias vezes, é provável que tenha sido contaminada por levedura selvagem ou bactéria. Seja como for, estou fermentando uma Scottish Heavy, com fermento novo, e ao final vou poder comprovar se o problema está com a levedura que usei na pilsen, ou se o problema é do processo que usei. O importante é o aprendizado, e as cervejas! Valeu!
 
Topo