• We have implemented the ability to gift someone a Supporting Membership now! When you access the Upgrade page there is now a 'Gift' button. Once you click that you can enter a username to gift an account Upgrade to. Great way to help support this forum plus give some kudos to anyone who has helped you.

Contra-Pressão - Cerveja Perdendo CO2

Ajude o Home Brew Talk Brasil:

Uktena

Well-Known Member
Afiliado
24/8/15
Mensagens
60
Estou envasando com Contra Pressão pela primeira vez e está acontecendo o seguinte:

Ajustei o cilindro de CO2 com 0,5 de pressão conforme indicado pelo vendedor e fiz os demais procedimentos na ordem indicada (alívio, abertura da entrada do líquido, etc), mas a cerveja está espumando bastante e perdendo CO2. Testei algumas garrafas e fica totalmente sem gás.
Reduzi ainda mais a pressão no cilindro (para uns 0,2) e não resolveu.
É como se eu tivesse jogando o líquido na garrafa através de um torneira PicNic, por exemplo. Ou seja, o gás se desprende no envase.

O que fazer?

Obs.:
- A cerveja está carbonatada em torno de 1k de pressão;
- Consigo servir a cerveja no copo normalmente (não está super carbonatada);
- Estou utilizando o postmix com a cerveja bem gelada (0 grau);
- Utilizo 2 metros de tubo para transferência do líquido.

Obrigado!
 

matozo

Well-Known Member
Afiliado
24/4/16
Mensagens
300
Estou envasando com Contra Pressão pela primeira vez e está acontecendo o seguinte:

Ajustei o cilindro de CO2 com 0,5 de pressão conforme indicado pelo vendedor e fiz os demais procedimentos na ordem indicada (alívio, abertura da entrada do líquido, etc), mas a cerveja está espumando bastante e perdendo CO2. Testei algumas garrafas e fica totalmente sem gás.
Reduzi ainda mais a pressão no cilindro (para uns 0,2) e não resolveu.
É como se eu tivesse jogando o líquido na garrafa através de um torneira PicNic, por exemplo. Ou seja, o gás se desprende no envase.

O que fazer?

Obs.:
- A cerveja está carbonatada em torno de 1k de pressão;
- Consigo servir a cerveja no copo normalmente (não está super carbonatada);
- Estou utilizando o postmix com a cerveja bem gelada (0 grau);
- Utilizo 2 metros de tubo para transferência do líquido.

Obrigado!
Você não pode aliviar antes de abrir o líquido, a pressão da garrafa tem de estar a mesma do barril, é isso que não vai fazer espumar.

Claro, aí sim vc começa a aliviar a pressão bem lentamente.

É assim que tá sendo seu procedimento?

Eu geralmente deixo mais próximo de 1 kg/cm² sem espuma.
 

Danielsantos

Well-Known Member
Afiliado
4/8/15
Mensagens
425
Estou envasando com Contra Pressão pela primeira vez e está acontecendo o seguinte:

Ajustei o cilindro de CO2 com 0,5 de pressão conforme indicado pelo vendedor e fiz os demais procedimentos na ordem indicada (alívio, abertura da entrada do líquido, etc), mas a cerveja está espumando bastante e perdendo CO2. Testei algumas garrafas e fica totalmente sem gás.
Reduzi ainda mais a pressão no cilindro (para uns 0,2) e não resolveu.
É como se eu tivesse jogando o líquido na garrafa através de um torneira PicNic, por exemplo. Ou seja, o gás se desprende no envase.

O que fazer?

Obs.:
- A cerveja está carbonatada em torno de 1k de pressão;
- Consigo servir a cerveja no copo normalmente (não está super carbonatada);
- Estou utilizando o postmix com a cerveja bem gelada (0 grau);
- Utilizo 2 metros de tubo para transferência do líquido.

Obrigado!
eu uso contrapressão a um ano e levei um baile para aprender...e alguns banhos...hehehe

aprendi por conta própria que a pressão que a cerveja está carbonatada, deve ser a mesma que vais colocar na garrafa....ou seja, se está com 1k carbonatado, mete 1kg na contra-pressão.

a minha enche sem espumar. outro ponto que devs observar é que a velocidade de enchimento não deve ser muito alta...fazer o envase com o liquido em torno de 0 graus...ajuda bastante...nos meus envases, completo uma garra da 300ml em torno de 18 segundo.
 

Guenther

Administrador
Moderador
Admin
Afiliado
23/4/13
Mensagens
3,828
Estou envasando com Contra Pressão pela primeira vez e está acontecendo o seguinte:

Ajustei o cilindro de CO2 com 0,5 de pressão conforme indicado pelo vendedor e fiz os demais procedimentos na ordem indicada (alívio, abertura da entrada do líquido, etc), mas a cerveja está espumando bastante e perdendo CO2. Testei algumas garrafas e fica totalmente sem gás.
Reduzi ainda mais a pressão no cilindro (para uns 0,2) e não resolveu.
É como se eu tivesse jogando o líquido na garrafa através de um torneira PicNic, por exemplo. Ou seja, o gás se desprende no envase.

O que fazer?

Obs.:
- A cerveja está carbonatada em torno de 1k de pressão;
- Consigo servir a cerveja no copo normalmente (não está super carbonatada);
- Estou utilizando o postmix com a cerveja bem gelada (0 grau);
- Utilizo 2 metros de tubo para transferência do líquido.

Obrigado!
Infelizmente, a desinformação de vendedores é quase uma coisa epidêmica.

Vamos pensar bem calmamente pra tudo fazer sentido.

O que diz a Lei de Henry: "A solubilidade de um gás em um líquido é diretamente proporcional a pressão parcial deste gás sobre o líquido".

Em resumo, quando a pressão de um gás sobre um líquido, mais moléculas deste gás se ligam no líquido e de dissolvem nele.

Em resumo, quando carbonatamos uma cerveja, colocamos ela em um barril, colocamos uma certa CO2 no headspace, e ao longo de horas, as moléculas de CO2 que estão "voando" no headspace vão eventualmetne se chocando com as moléculas de água da cerveja, e a pressão faz com que essas moléculas de CO2 se liguem nessas moléculas de água, e "afundem" com elas. Isso vai acontecendo mais e mais, mas quanto mais moléculas de CO2 migram do headspace para o líquido, menos pressão fica no headspace, afinal, menos moléculas restam lá.

Chega uma hoje que acontece uma das principais coisas que todos devem entender sobre carbonatação: pressão de equilíbrio ou pressão estabilizada. Ou seja, chega um momento onde a pressão do headspace não é suficiente para "impregnar" mais moléculas de CO2 no líquido. No entanto, o CO2 no líquido, que está sempre lutando pra se soltar dessas moléculas de água, virar uma bolha, e sair voando.... também não consegue se soltar porque há muita pressão sobre o líquido, logo: equilíbrio.

Espuma: quando ocorre? O que é?

Espuma só acontece se não há pressão suficiente sobre o líquido para manter o CO2 preso nele. Se a pressão sobre o líquido diminuir um pouco, e houver muito choque entre moléculas, o CO2 consegue se desprender, vira uma bolha, chega na superfície, se liga a partículas hidrofóbicas que não deixam a bolha estourar, e pronto....... temos espuma.

Então, se espuma só se forma se a pressão acima do líquido for MAIS BAIXA do que a pressão original em que a cerveja estava carbonatada, o que devemos fazer se queremos transferir ela de um lugar pro outro sem fazê-la espumar? Bom......... temos que manter a cerveja o tempo inteiro sob pressão no mínimo igual, e preferencialmente até um pouco superior à que ela foi carbonatada.

Daí surgiu o envase por "contra-pressão", uma forma se pré-pressurizarmos o recipiente que vai receber a cerveja, a linha toda, tudo, antes de começar a movimentar o líquido, assim a cerveja saí de um "vaso" para o outro "vaso" e nunca é exposta a uma pressão menor do que a original, logo.......... o CO2 preso no líquido nunca consegue se soltar, e não vira bolha.

--------

Em resumo, em qualquer sistema de contra-pressão, seja pra encher garrafa, barril, tanto faz.... é preciso avaliar quantos volumes de CO2 a cerveja está carbonatada, levar em consideração qual a temperatura máxima que o líquido será exposto durante o envase, e usar uma pressão adequada pra isso.

Exemplo: uma cerveja está carbonatada em barril a 5 graus de temperatura, e 1 bar de pressão, o que dá mais ou menos 2.6 volumes. Ao envasar por contra-pressão, sendo que estou num lugar a 25 graus de temperatura e com mangueiras longas, eu sei que entre encher uma garrafa e outra a cerveja vai ficar parada na mangueira e........ chutando..... acho que na pior das hipóteses a cerveja que está dentro da mangueira pode chegar a 20 graus durante o envase na pior de todas as hipóteses.

Bom, 2.6 volumes de carbonatação, a 20 graus...... requerem 2 Bar de pressão para que a cerveja se mantenha carbonatada (e o CO2 não se solte), logo............... durante o meu envase eu vou usar em torno de 2 Bar de pressão na linha, e quando digo na linha, quero dizer um Y na saída do cilindro que pressurize tanto o barril quanto a garrafa nessa pressão, assim tenho certeza que vai ser tudo perfeito.

"Mas Guenther, se usar 2 Bar durante o envase, a cerveja não vai supercarbonatar?" - Absolutamente não, absorção de CO2 é uma coisa muito lenta, e o tempo de envase não é suficiente pra isso.

Resumidamente, é isso.

Abraço,
 

Uktena

Well-Known Member
Afiliado
24/8/15
Mensagens
60
Valeu demais pessoal. Obrigado mesmo. :mug:

Vou ajustar e testar em breve.
 

RODRIGOLOBATO

New Member
Afiliado
3/7/17
Mensagens
2
boa tarde ! cheguei a essa mesma conclusão ... mas só uma dúvida.
quando coloco uma cerveja com 1kgf de pressão e coloco o mesmo 1 kgf na garrafa, isso no sistema de contra pressão, vou abrindo a valvula de descarte pra cerveja começar a entrar.
Quando a garrafas está cheio, preciso abrir a válvula totalmente para zerar a pressão, para poder tirar da engarrafadora e tampar, mas quando faço isso, a cerveja da parte de cima da garrafa vira espuma, pois estou baixando a pressão dentro da garrafa ... tem algum macete a mais ?
 

lpera

Well-Known Member
Afiliado
18/1/15
Mensagens
828
boa tarde ! cheguei a essa mesma conclusão ... mas só uma dúvida.
quando coloco uma cerveja com 1kgf de pressão e coloco o mesmo 1 kgf na garrafa, isso no sistema de contra pressão, vou abrindo a valvula de descarte pra cerveja começar a entrar.
Quando a garrafas está cheio, preciso abrir a válvula totalmente para zerar a pressão, para poder tirar da engarrafadora e tampar, mas quando faço isso, a cerveja da parte de cima da garrafa vira espuma, pois estou baixando a pressão dentro da garrafa ... tem algum macete a mais ?
O macete é: seja rápido. Assim que você terminou de preencher e retirou o envasador você tem um líquido em uma pressão alta e a pressão do ambiente que é baixa, então invariavelmente vai espumar um pouco, se a temperatura está alta vai espumar mais. Eu tenho o costume de gelar minhas garrafas antes de envasar por contra-pressão. Terminou tem que arrolhar na sequência.
 

matozo

Well-Known Member
Afiliado
24/4/16
Mensagens
300
boa tarde ! cheguei a essa mesma conclusão ... mas só uma dúvida.
quando coloco uma cerveja com 1kgf de pressão e coloco o mesmo 1 kgf na garrafa, isso no sistema de contra pressão, vou abrindo a valvula de descarte pra cerveja começar a entrar.
Quando a garrafas está cheio, preciso abrir a válvula totalmente para zerar a pressão, para poder tirar da engarrafadora e tampar, mas quando faço isso, a cerveja da parte de cima da garrafa vira espuma, pois estou baixando a pressão dentro da garrafa ... tem algum macete a mais ?
Tem que fechar tanto o gás quanto o líquido, aliviar e retirar a garrafa, fazendo isso não tem erro pra remover a garrafa sem espuma no final.
 

Guenther

Administrador
Moderador
Admin
Afiliado
23/4/13
Mensagens
3,828
boa tarde ! cheguei a essa mesma conclusão ... mas só uma dúvida.
quando coloco uma cerveja com 1kgf de pressão e coloco o mesmo 1 kgf na garrafa, isso no sistema de contra pressão, vou abrindo a valvula de descarte pra cerveja começar a entrar.
Quando a garrafas está cheio, preciso abrir a válvula totalmente para zerar a pressão, para poder tirar da engarrafadora e tampar, mas quando faço isso, a cerveja da parte de cima da garrafa vira espuma, pois estou baixando a pressão dentro da garrafa ... tem algum macete a mais ?
Está fazendo errado.

Enquanto está enchendo, está regulado para a válvula de purga liberar o gás lentamente, então você mantém assim, e ao chegar no nível que quer, você fecha somente a entrada de líquido, e como a válvula de purga já está aberta, você só espera a pressão zerar lentamente, sem fazer nada brusco nem abrir totalmente. Ficou claro?
 

Guenther

Administrador
Moderador
Admin
Afiliado
23/4/13
Mensagens
3,828
Tem que fechar tanto o gás quanto o líquido, aliviar e retirar a garrafa, fazendo isso não tem erro pra remover a garrafa sem espuma no final.
Nops.... tem que fechar só o líquido e deixar o gás aliviar naturalmente pela purga que já estava aberta para aliviar a pressão suavemente sem solavancos ou mudanças bruscas de pressão dentro da garrafa.
 

matozo

Well-Known Member
Afiliado
24/4/16
Mensagens
300
Nops.... tem que fechar só o líquido e deixar o gás aliviar naturalmente pela purga que já estava aberta para aliviar a pressão suavemente sem solavancos ou mudanças bruscas de pressão dentro da garrafa.
Foi isso o que eu disse.

Provavelmente o gás vai estar fechado, até porque alguns contra-pressões tem uma válvula única pro líquido e gás, mas de qualquer forma ambas devem estar fechadas e vc deve abrir a válvula de alívio. Foi isso que eu disse e é isso que tem que ser feito.
 

Guenther

Administrador
Moderador
Admin
Afiliado
23/4/13
Mensagens
3,828
Tem que fechar tanto o gás quanto o líquido, aliviar e retirar a garrafa, fazendo isso não tem erro pra remover a garrafa sem espuma no final.
Não foi o que deu a entender, mas tranquilo.

É que durante o enchimento, a entrada de CO2 obrigatoriamente vai estar fechada, se não nem tem como encher a garrafa, então quando vc falou "tem que fechar o gás" eu entendi que vc queria dizer que tem que fechar a saída de gás......... compreendeu? :)
 

Sandro Alves

New Member
Afiliado
19/7/20
Mensagens
1
Localização
Vila Velha ES
Infelizmente, a desinformação de vendedores é quase uma coisa epidêmica.

Vamos pensar bem calmamente pra tudo fazer sentido.

O que diz a Lei de Henry: "A solubilidade de um gás em um líquido é diretamente proporcional a pressão parcial deste gás sobre o líquido".

Em resumo, quando a pressão de um gás sobre um líquido, mais moléculas deste gás se ligam no líquido e de dissolvem nele.

Em resumo, quando carbonatamos uma cerveja, colocamos ela em um barril, colocamos uma certa CO2 no headspace, e ao longo de horas, as moléculas de CO2 que estão "voando" no headspace vão eventualmetne se chocando com as moléculas de água da cerveja, e a pressão faz com que essas moléculas de CO2 se liguem nessas moléculas de água, e "afundem" com elas. Isso vai acontecendo mais e mais, mas quanto mais moléculas de CO2 migram do headspace para o líquido, menos pressão fica no headspace, afinal, menos moléculas restam lá.

Chega uma hoje que acontece uma das principais coisas que todos devem entender sobre carbonatação: pressão de equilíbrio ou pressão estabilizada. Ou seja, chega um momento onde a pressão do headspace não é suficiente para "impregnar" mais moléculas de CO2 no líquido. No entanto, o CO2 no líquido, que está sempre lutando pra se soltar dessas moléculas de água, virar uma bolha, e sair voando.... também não consegue se soltar porque há muita pressão sobre o líquido, logo: equilíbrio.

Espuma: quando ocorre? O que é?

Espuma só acontece se não há pressão suficiente sobre o líquido para manter o CO2 preso nele. Se a pressão sobre o líquido diminuir um pouco, e houver muito choque entre moléculas, o CO2 consegue se desprender, vira uma bolha, chega na superfície, se liga a partículas hidrofóbicas que não deixam a bolha estourar, e pronto....... temos espuma.

Então, se espuma só se forma se a pressão acima do líquido for MAIS BAIXA do que a pressão original em que a cerveja estava carbonatada, o que devemos fazer se queremos transferir ela de um lugar pro outro sem fazê-la espumar? Bom......... temos que manter a cerveja o tempo inteiro sob pressão no mínimo igual, e preferencialmente até um pouco superior à que ela foi carbonatada.

Daí surgiu o envase por "contra-pressão", uma forma se pré-pressurizarmos o recipiente que vai receber a cerveja, a linha toda, tudo, antes de começar a movimentar o líquido, assim a cerveja saí de um "vaso" para o outro "vaso" e nunca é exposta a uma pressão menor do que a original, logo.......... o CO2 preso no líquido nunca consegue se soltar, e não vira bolha.

--------

Em resumo, em qualquer sistema de contra-pressão, seja pra encher garrafa, barril, tanto faz.... é preciso avaliar quantos volumes de CO2 a cerveja está carbonatada, levar em consideração qual a temperatura máxima que o líquido será exposto durante o envase, e usar uma pressão adequada pra isso.

Exemplo: uma cerveja está carbonatada em barril a 5 graus de temperatura, e 1 bar de pressão, o que dá mais ou menos 2.6 volumes. Ao envasar por contra-pressão, sendo que estou num lugar a 25 graus de temperatura e com mangueiras longas, eu sei que entre encher uma garrafa e outra a cerveja vai ficar parada na mangueira e........ chutando..... acho que na pior das hipóteses a cerveja que está dentro da mangueira pode chegar a 20 graus durante o envase na pior de todas as hipóteses.

Bom, 2.6 volumes de carbonatação, a 20 graus...... requerem 2 Bar de pressão para que a cerveja se mantenha carbonatada (e o CO2 não se solte), logo............... durante o meu envase eu vou usar em torno de 2 Bar de pressão na linha, e quando digo na linha, quero dizer um Y na saída do cilindro que pressurize tanto o barril quanto a garrafa nessa pressão, assim tenho certeza que vai ser tudo perfeito.

"Mas Guenther, se usar 2 Bar durante o envase, a cerveja não vai supercarbonatar?" - Absolutamente não, absorção de CO2 é uma coisa muito lenta, e o tempo de envase não é suficiente pra isso.

Resumidamente, é isso.

Abraço,
Fantástica explicação!
 
Topo