• We have implemented the ability to gift someone a Supporting Membership now! When you access the Upgrade page there is now a 'Gift' button. Once you click that you can enter a username to gift an account Upgrade to. Great way to help support this forum plus give some kudos to anyone who has helped you.

Até quando?

Ajude o Home Brew Talk Brasil:

Jasontng

Well-Known Member
Afiliado
14/1/20
Mensagens
72
Localização
São Paulo
Qualquer produto destinado a consumo humano vai sofrer algum tipo de controle. Pra vender queijo artesanal vc tb precisa comprovar q vc atende a certos requisitos, não é apenas cerveja q é assim pq a malvada Ambev morre de medo de concorrer com sua panela elétrica de 100L.

Vcs realmente acham q são algum tipo de ameaça para a Ambev? Vcs jamais vão ter a mesma economia de escala q ela tem e o brasileiro normal prefere muito mais alguma cerveja de massa do q suas NEIPAS, e isso não vai mudar. Se realmente a ideia é preservar a cultura, então a cultura a ser preservada é de fazer cerveja leve e barata pra tomar de litros até ficar muito bêbado.

Se estão com tanta vontade assim de vender cerveja sem correr o risco de tomar multa, pq não fazem produção cigana? Assim conseguem testar o mercado e a aceitação do seu produto sem se preocuparem com o MAPA.
 

Rafael_SS

New Member
Afiliado
2/5/19
Mensagens
4
Localização
Porto Alegre
Eu resumo assim:
Se eu comprar cerveja do meu vizinho, primo, amigo, etc... Sou adulto assumo o risco.
Se for em um mercado, jamais admitiria comprar uma cerveja que não passou por todos os processos legais. Inclusive, gostaria que o dono fosse preso !

Minha opinião ! Abraço a todos...
 

Bruno Nery

Well-Known Member
Afiliado
24/12/18
Mensagens
253
Localização
Cotia
Qualquer produto destinado a consumo humano vai sofrer algum tipo de controle. Pra vender queijo artesanal vc tb precisa comprovar q vc atende a certos requisitos, não é apenas cerveja q é assim pq a malvada Ambev morre de medo de concorrer com sua panela elétrica de 100L.

Vcs realmente acham q são algum tipo de ameaça para a Ambev? Vcs jamais vão ter a mesma economia de escala q ela tem e o brasileiro normal prefere muito mais alguma cerveja de massa do q suas NEIPAS, e isso não vai mudar. Se realmente a ideia é preservar a cultura, então a cultura a ser preservada é de fazer cerveja leve e barata pra tomar de litros até ficar muito bêbado.

Se estão com tanta vontade assim de vender cerveja sem correr o risco de tomar multa, pq não fazem produção cigana? Assim conseguem testar o mercado e a aceitação do seu produto sem se preocuparem com o MAPA.
Eu concordo com vc plenamente... estive nos ultimos dias apenas lendo brigas e extremos. Um pensa que pode fazer tudo, outros que não podem fazer nada... aí vai minha opinião....

Faço cerveja a alguns anos, para consumo próprio e nunca tive a intenção de vender.De uns tempos para cá minha percepção mudou para abrir algo e trabalhar no que eu gosto... me inseri no mundo, conheci pessoas e principalmente cervejas melhores.
Não acho errado as pessoas venderem lotes pequenos para seus amigos, familiares e etc.. porém não concordo em levarem isso como negócio a frente... Como o colega disse a AMBEV tá cagando pra suas vendas de 100 lts porém o mercado artesanal está...
Enquanto você tem 100%, 200% de lucro, tem ciganos ou micros/nano cervejarias lutando para fazer do jeito correto e saudável...
Acho injusto quando vejo caseiros pedindo o mesmo preço ou talvez um pouco menos apenas para "ganhar" a venda... isso nao ajuda em nada ao meu ver... apenas nos separa mais...
Dessa forma como o colega disse, evoluímos para ciganos e estamos em testes no mercado, querendo nao tomar espaço de ninguem mas sim aumentar esse espaço consumido pelas mainstreams....

Essa é minha opinião apenas.
 
Última edição:

marcelo_r_a

Well-Known Member
Afiliado
7/2/17
Mensagens
202
Galera, eu sinceramente não entendo porque tanta paixão nos comentários... São só opiniões, e que não afetam a vida de ninguém. Qual o problema de discordar?!
Uma galera com mania de perseguição achando que o MAPA é o FBI, outra achando a coisa mais imoral do mundo o cara vender a cervejinha dele, bullying igual de escola (novatos não podem falar)...
Galera, atividade informal não é necessariamente ilegal. O MAPA fiscaliza indústrias. Não há crime, ou infração alguma em vc vender sua cerveja informalmente.

Entendam, apenas indústrias podem produzir cerveja para comercialização, legalmente. Para produzir cerveja sua empresa precisa ter um CNAE de indústria de bebidas. Isso não significa que seja ilegal outras pessoas produzirem cerveja, mas que esse produto não pode ser comercializado.

Aí entra um ponto chave. Você vender algo informalmente não te faz um comércio. É uma atividade informal. Não há lei que proíba, e o MAPA não pode te impedir.
Então posso vender minha cerveja na praça, feiras e bares? Não, não pode. E quem vai proibir não é o MAPA, mas a prefeitura e secretaria de fazenda. Tu vai fugir é do rapa, igual qualquer camelô com produto sem nota.

O que é proibido? É indústrias produzirem sem registro no MAPA, bem como comércios venderem produtos sem nota fiscal/procedência. Com isso, chegamos a uma situação em que é proibido comercializar cerveja artesanal. Mas não é crime vender informalmente. Como não é crime vender nada seu, desde que não seja algo ilegal.

Eu vendo minha cerveja desde 2013, e já estive nas três posições. Nesse tempo vi o MAPA atuar uma única vez. Em meados de 2014 a cerveja artesanal ainda era bem mais incipiente, e surgiram umas 5 "cervejarias" sem registro em a cidade na serra do RJ. Todos os bares da região vendiam nossas cervejas. Depois de mais ou menos um ano nessa situação, o MAPA, a partir da denúncia da única cervejaria da cidade que era registrada (errada não tava), acabou dando uma dura nos bares. O resultado foi que jogaram fora as cervejas sem registro e teve um único bar que foi multado. Depois disso bar nenhum quis vender cerveja sem registro lá.

CERVEJEIRO CASEIRO, esquece o MAPA porque ele não dá a mínima pra vc.

Ao mesmo tempo, na minha opinião, a não ser que vc esteja em um contexto em que o nicho de mercado seja muito restrito, nem as ciganas vão ligar pra vc. Vc não pode vender em bares nem mercados, nem da pra sustentar uma empresa vendendo para conhecidos. A verdade é que nós não vendemos nos mesmos pontos de venda.

Minha cidade, por exemplo, tem 6 microcervejarias com fábrica, e somando os ciganos somos mais de 15... Sem brincadeira, paneleiros são insignificantes no contexto do mercado aqui.

Dito isso tudo, gostaria de retomar dois pontos que venho levantando aqui no fórum a bastante tempo.

1-Não é tão difícil legalizar uma cervejaria, e em termos de negócios, é mais lucrativo do que vender informalmente.

2-Eu nunca vi alguém que conseguisse apontar uma regra sequer do MAPA que não fizesse sentido em termos sanitários/segurança alimentar.

Pra ilustrar, vou anexar duas fotos de cervejarias registradas no mapa, com equipamentos "artesanais".

Abs.
 

Attachments

FelGuara

Well-Known Member
Afiliado
18/4/17
Mensagens
232
Localização
Paraty - RJ
Acho que nem é tanto questão das regras a serem questionadas, e olha que ter que ter um RT já vai ser meio complicado…kkk.(não sei se é regra, lembre de nosso último debate)
O absurdo é obrigar que os artesãos, que produzimos a milênios artesanalmente essa bebida chamada cerveja, além de respeitar as regras sanitárias atinentes a outros alimentos, restaurantes, etc., tenham que se tornar uma indústria para vender sem qualquer restrição adicional.
Essa história de “Paneleiros: vendam igual a um traficante, ou sejam ciganos”, me parece muito mais uma reserva de mercado, corporativismo, do que preocupação com saúde pública.
 

marcelo_r_a

Well-Known Member
Afiliado
7/2/17
Mensagens
202
Acho que nem é tanto questão das regras a serem questionadas, e olha que ter que ter um RT já vai ser meio complicado…kkk.(não sei se é regra, lembre de nosso último debate)
O absurdo é obrigar que os artesãos, que produzimos a milênios artesanalmente essa bebida chamada cerveja, além de respeitar as regras sanitárias atinentes a outros alimentos, restaurantes, etc., tenham que se tornar uma indústria para vender sem qualquer restrição adicional.
Essa história de “Paneleiros: vendam igual a um traficante, ou sejam ciganos”, me parece muito mais uma reserva de mercado, corporativismo, do que preocupação com saúde pública.
Kkk e como falei, é um tema imortal! Kkkk
Mas veja bem, vou te explicar porque precisa de um RT, com exemplos.

Quanto você pode colocar de metabissulfito de sódio em cerveja pronta, se já tiver usado para eliminação de cloro? Se vc quiser fazer uma sour usando só ácido lático para chegar no pH desejado, ela faz mal a saúde? Quantos enxagues são necessários para enxaguar um barril limpo com soda cáustica? Você pode entrar dentro do fermentador pra limpar ele? Vc pode usar sais P.A. para correção de água? Quais conservantes podem ser usados em cerveja? Quais corantes podem ser usados em cerveja?

Se vc não sabe responder todas essas perguntas, sinal de que não tem o conhecimento necessário para se responsabilizar por uma cervejaria.

Edit 1: Mas não precisa vender como traficante! Kkkkk pode ter orgulho da sua cerveja e vender informalmente sem receios.

Edit2: E se tiver disposição pra fugir do rapa, vá vender na rua tbm. Só fale a verdade sobre seu produto pro consumidor, afinal, é pra ter orgulho.
Edit 3: pô, tu não viu as fotos? Aquilo ali é o mínimo...
Abs.
 
Última edição:

FelGuara

Well-Known Member
Afiliado
18/4/17
Mensagens
232
Localização
Paraty - RJ
Kkk e como falei, é um tema imortal! Kkkk
Mas veja bem, vou te explicar porque precisa de um RT, com exemplos.

Quanto você pode colocar de metabissulfito de sódio em cerveja pronta, se já tiver usado para eliminação de cloro? Se vc quiser fazer uma sour usando só ácido lático para chegar no pH desejado, ela faz mal a saúde? Quantos enxagues são necessários para enxaguar um barril limpo com soda cáustica? Você pode entrar dentro do fermentador pra limpar ele? Vc pode usar sais P.A. para correção de água? Quais conservantes podem ser usados em cerveja? Quais corantes podem ser usados em cerveja?

Se vc não sabe responder todas essas perguntas, sinal de que não tem o conhecimento necessário para se responsabilizar por uma cervejaria.

Edit 1: Mas não precisa vender como traficante! Kkkkk pode ter orgulho da sua cerveja e vender informalmente sem receios.

Edit2: E se tiver disposição pra fugir do rapa, vá vender na rua tbm. Só fale a verdade sobre seu produto pro consumidor, afinal, é pra ter orgulho.
Edit 3: pô, tu não viu as fotos? Aquilo ali é o mínimo...
Abs.
Eu vi, cara. Mas, novamente, acho que a questão não é bem essa.
E acho que
o mínimo em nossa escala é qualitativo e não determinado necessariamente pelo equipamento.
O dia que eu tiver um fermentador que eu caiba dentro, já deixei de ser artesão…
Sempre falo e divulgo o que vendo, com orgulho!
Também, depois desses debates, o que começa a me ocorrer é que estamos menos discordando do que falando de coisas diferentes, ou melhor, da mesma coisa, produzida de forma e com objetivos diferentes.
Abração!
 

pwiens

Well-Known Member
Afiliado
22/3/18
Mensagens
180
Eu não concordo integralmente com o que o autor do tópico falou, não concordo com certos termos, mas eu captei a essência da mensagem dele e concordo que não temos que ter medo de vender nosso produto para conhecidos. Não acho vantagem vendermos para comércio ou até mesmo na rua pra desconhecidos, mas a partir do momento que vendemos pra conhecidos, contribuimos para que estes conheçam mais o mundo cervejeiro e assim a criação de uma cultura cervejeira nacional.
Muitos me pedem se eu não faço pra vender, mas eu realmente não acho que valha a pena no meu caso. Minhas bateladas são de 30l e eu sou meio "devagar", do começo ao fim do processo eu levo umas 10 horas. Ao contrário do que o estagiário de maçom ali falou, eu sou engenheiro formado pela UNICAMP sendo que eu preteri a USP, então meu custo de oportunidade dessas 10 horas que perco encarecem muito meu produto e cada hora que perco fazendo cerveja é uma hora que perco com a minha família. Tenho muito orgulho da minha universidade e a crítica que fiz é realmente uma auto-crítica, se eu não a fizer, quem a fará, e se não houver, como melhorar???
É isso confrades, fogo no parquinho que senão não tem graça.
 

Elio Wurrel

Active Member
Afiliado
16/2/19
Mensagens
27
Localização
Curitiba - PR
Galera, eu sinceramente não entendo porque tanta paixão nos comentários... São só opiniões, e que não afetam a vida de ninguém. Qual o problema de discordar?!
Uma galera com mania de perseguição achando que o MAPA é o FBI, outra achando a coisa mais imoral do mundo o cara vender a cervejinha dele, bullying igual de escola (novatos não podem falar)...
Galera, atividade informal não é necessariamente ilegal. O MAPA fiscaliza indústrias. Não há crime, ou infração alguma em vc vender sua cerveja informalmente.

Entendam, apenas indústrias podem produzir cerveja para comercialização, legalmente. Para produzir cerveja sua empresa precisa ter um CNAE de indústria de bebidas. Isso não significa que seja ilegal outras pessoas produzirem cerveja, mas que esse produto não pode ser comercializado.

Aí entra um ponto chave. Você vender algo informalmente não te faz um comércio. É uma atividade informal. Não há lei que proíba, e o MAPA não pode te impedir.
Então posso vender minha cerveja na praça, feiras e bares? Não, não pode. E quem vai proibir não é o MAPA, mas a prefeitura e secretaria de fazenda. Tu vai fugir é do rapa, igual qualquer camelô com produto sem nota.

O que é proibido? É indústrias produzirem sem registro no MAPA, bem como comércios venderem produtos sem nota fiscal/procedência. Com isso, chegamos a uma situação em que é proibido comercializar cerveja artesanal. Mas não é crime vender informalmente. Como não é crime vender nada seu, desde que não seja algo ilegal.

Eu vendo minha cerveja desde 2013, e já estive nas três posições. Nesse tempo vi o MAPA atuar uma única vez. Em meados de 2014 a cerveja artesanal ainda era bem mais incipiente, e surgiram umas 5 "cervejarias" sem registro em a cidade na serra do RJ. Todos os bares da região vendiam nossas cervejas. Depois de mais ou menos um ano nessa situação, o MAPA, a partir da denúncia da única cervejaria da cidade que era registrada (errada não tava), acabou dando uma dura nos bares. O resultado foi que jogaram fora as cervejas sem registro e teve um único bar que foi multado. Depois disso bar nenhum quis vender cerveja sem registro lá.

CERVEJEIRO CASEIRO, esquece o MAPA porque ele não dá a mínima pra vc.

Ao mesmo tempo, na minha opinião, a não ser que vc esteja em um contexto em que o nicho de mercado seja muito restrito, nem as ciganas vão ligar pra vc. Vc não pode vender em bares nem mercados, nem da pra sustentar uma empresa vendendo para conhecidos. A verdade é que nós não vendemos nos mesmos pontos de venda.

Minha cidade, por exemplo, tem 6 microcervejarias com fábrica, e somando os ciganos somos mais de 15... Sem brincadeira, paneleiros são insignificantes no contexto do mercado aqui.

Dito isso tudo, gostaria de retomar dois pontos que venho levantando aqui no fórum a bastante tempo.

1-Não é tão difícil legalizar uma cervejaria, e em termos de negócios, é mais lucrativo do que vender informalmente.

2-Eu nunca vi alguém que conseguisse apontar uma regra sequer do MAPA que não fizesse sentido em termos sanitários/segurança alimentar.

Pra ilustrar, vou anexar duas fotos de cervejarias registradas no mapa, com equipamentos "artesanais".

Abs.
Baita explicação, pode encerrar o tópico, por favor.
 
Afiliado
2/9/21
Mensagens
9
Localização
Belo Horizonte
Sou novo no fórum. Espero que não se incomodem com esse acréscimo.
Li o tópico todo e pensei que teria algo a acrescentar, um ponto de vista um pouco diferente do que foi falado e que não entra em conflito com nada o que foi dito, apenas apresenta um novo caminho.

Já tive um contato com a área dos vinhos, de sommelier a lojas e produtores.
Ficava tentando entender, por que o mercado do vinho era meio modesto, no Brasil.
Perdemos em consumo per capita, pra nossos vizinhos, como a Argentina...
Descobri, que em algum momento de nossa história, produtores e influenciadores resolveram que o vinho deveria ser um ítem especial, que acompanharia a alta gastronomia.
Disso, o vinho que em outros países é taxado (e tratado) como alimento, aqui vira uma bebida elitista, de oportunidade de gente esnobe se mostrar, dizendo ser conhecedor de determinados lotes apenas por cheirar a rolha. (é sério)
Fiquei refletindo sobre a cerveja e como, de uns anos pra cá, vi aqui na cidade, uma mudança relevante no mercado, historicamente controlado pela Ambev.

Em Belo Horizonte, onde moro, tivemos a uns 5 anos (antes da pandemia) um evento cervejeiro que tomou proporções bem interessantes, o Experimente.
Era uma feira em uma cidade vizinha, que é conhecida por abrigar a maior parte das cervejarias artesanais da região.
Krug, Kud, Falke, Backer e outras tantas cervejarias apresentavam, mensalmente, suas cervejas.
O evento ainda contava com cervejarias convidadas, normalmente pequenas, que faziam uma participação de reconhecimento.
Eu não conhecia muito de cerveja até então, foi nesse evento, que desenvolvi conhecimento e paladar.
(e o nome não era atoa, você conseguia, por toda a feira, experimentar provinhas gratuitas de todas as cervejas)

Sou grato por ter frequentado, praticamente todo mês, por anos. :)
Esse levante de cervejarias artesanais na cidade trouxe mudanças.
Sou muito feliz em dizer que temos uma quantidade invejável de bares especializados em cervejas, com dúzias ou dezenas de biqueiras pra vc experimentar dos mais variados estilos.
Pouco tempo atrás, 2 redes de supermercados ofereciam espaços a cervejarias montarem suas "growlerias", e q permitia o consumidor fazer sua compra do mês e voltar pra casa com alguns growlers fresquinhos. rs :)
Eu não tenho pesquisas a apresentar, só minha experiência.
Mas isso tudo fez com que o mercado cervejeiro "educasse o paladar". E não falo 'educar' num sentido arrogante, mas numa idéia que começa a entender mais o que bebe e procurar por isso, fazendo com q o mercado mudasse como um todo.
Ambeve continua ai, claro.
Mas agora eu consigo, facilmente, comprar um chopp artesanal, ou uma garrafa bacana em praticamente qualquer estabelecimento da cidade, do restaurante francês ao boteco copo sujo do centro. E eu não estou exagerando...

Enfim, só queria acrescentar isso.
O mercado cervejeiro conseguiu em poucos anos o que o vinho não fez a décadas, apresentar ao consumidor tudo de bom que existe por ai, e o conhecimento que ele pode efetivamente escolher o que vai beber.
Da cervejinha "canela de pedreiro", a uma double ipa com cravo e pimenta branca. :)

Eu não sei de vocês, mas pelo menos em BH, é muito bom ser bebedor de cerveja.
Um forte abraço a todos.

Ps. Antes da pandemia já haviam 3 ou 4 feiras gastronômicas mensais pela cidade, todas repletas de cervejarias artesanais.
 

Latest posts

Topo